Relatos

Mitos de Viagem

20 de fevereiro de 2014 0 comentário

Não, minha proposta com esse texto não é revelar furadas em viagens, destinos que prometem mas que acabam deixando a desejar. Meu objetivo com esse texto é justamente fazer uma auto-análise do viajante padrão, e as sabotagens cotidianas que pregamos em nós mesmos. Aqueles pequenos detalhes que deixamos para uma outra hora, que a preguiça acaba vencendo, que damos como certo até esquecermos e que, no final das contas, acabam nos roubando momentos e memórias incríveis e, muitas vezes, únicas em nossas vidas. Ficou meio vago? Vamos a alguns exemplos.

“Não precisa tirar foto! Essa maravilhosa viagem ficará toda gravada em minha memória.” Não. Não vai. Por mais emocionante que seja o momento ou a viagem, você vai esquecer. Detalhes, lugares, passeios se esmaecem à medida que a idade avança e a mente faz espaço para novas memórias. Uma fotografia pode ser um excelente catalisador de lembranças. Trazendo de volta sentimentos, cheiros e experiências adormecidas nos cantinhos mais escondidos do cérebro.

“Ainda vou voltar aqui um dia!” As chances disso acontecer são mínimas ou tendem a zero. Por isso, não deixe nada para depois. Não deixe um passeio para uma outra ocasião, não fique com preguiça de dar aquela caminhada a mais para completar o passeio, não abdique de explorar cidades ou bairros vizinhos. E, se você um dia voltar, é porque o lugar realmente vale a pena e você não se furtará em repetir todos os passeios.

“Vamos manter contato!” Dificilmente. A galera do albergue, a amiga que você fez na viagem de trem e rodou com você por uma parada no caminho, o grupo de amigos de infância que se reuniu em um resort para comemorar os 30 anos de formatura…. Esse pessoal que parece tão importante e vital naquele seu momento de felicidade vai se perder pelos atalhos da vida uma vez que você retorne ao seu cotidiano normal. A vida tem o péssimo hábito de se colocar a frente de nossos planos e sonhos.

“Vou acordar cedo para aproveitar ao máximo!” Hahahaha! Conta outra! O vôo será longo, o fuso horário vai te desregular, seu corpo e mente estarão mais relaxados e, com toda certeza, você não vai querer usar o despertador em plenas férias. Esses fatores são determinantes para que você aproveite e estenda a preguiça matinal. E é ótimo que o faça! Os minutos (ou horas) desperdiçados na cama vão te fazer acordar revigorado e mais disposto para encarar as maravilhas de seu novo destino!

No fim das contas, o importante é cair na real, não forçar a barra e aproveitar cada momento como se fosse o último! Regras ara a estrada e para a vida.

Veja Também