DestinosHospedagemInternacionais

O que visitar em Madrid?

5 de janeiro de 2017 1 Comentário

Uma viagem a Madrid deve começar pela visita a Puerta del Sol, é o que dizem… Depois de seguir à risca esse conselho, discordo que seu roteiro também deva começar assim.

Madrid

Existe muita história por trás do burburinho de um dos pontos mais movimentados de Madrid. Em formato circular e com várias ruas saindo como raios em direção à cidade – daí vem o nome Puerta del Sol –, a praça tem duas estátuas importantes: a de Carlos III, sempre lembrado pelas melhorias que fez por Madrid durante seu reinado da Espanha, entre 1759 e 1788; e o famoso monumento “El Oso y el Madroño”, símbolo madrilenho que representa a fertilidade e as terras de cultivo com a imagem de uma ursa e um arbusto.

Também é aqui que fica a Casa de Correios e o emblemático relógio que dá as 12 badaladas à meia-noite do 31 de dezembro, quando muitos festejam a chegada do ano novo com o curioso ritual espanhol de comer 12 uvas nos primeiros 12 segundos – uma a cada campanada. Um olhar atento para as laterais da Puerta del Sol também revela uma placa que faz referência à batalha dos mamelucos de 1808 e outra em agradecimento às ajudas recebidas após o atentado de março de 2004 na estação de trem Atocha.

Madrid

A Plaza Mayor

Com uma importância histórica sem igual, a Puerta del Sol é um ícone de Madrid, mas está longe de ser o passeio mais apaixonante para a estreia da visita à cidade. O charme das construções antigas, da efervescência cultural, dos jardins bem cuidados e da rica gastronomia está em outro lugar. A própria Plaza Mayor, que fica a uma rápida caminhada da Puerta del Sol, ganha a cena com seus prédios baixos de arquitetura barroca pintados de vermelho e branco, rodeando toda a praça e acolhendo restaurantes com mesas na rua e guarda-sóis.

Criada para ser um mercadão do século 16, a Plaza Mayor teve seus dias de zona comercial de pães, carnes, legumes, verduras e frutas. Hoje, por trás de cada janelinha vivem famílias – à exceção da pequena fachada de desenhos coloridos que abriga a secretaria de turismo. De todos os lados, o acesso à Plaza Mayor é feito por arcos e passarelas, que levam em direção a esse marco madrilenho já reconstruído três vezes por conta de incêndios. Não há dúvidas de que, vira e mexe, suas andanças pela capital desembocarão – quase sem querer – na Plaza Mayor.

 

Madrid
Da Plaza Mayor à realeza

Caminhando para o outro lado de Madrid, o Palácio Real fica a menos de 1km de distância da Plaza Mayor.  Carlos III foi o primeiro rei a morar no suntuoso palácio de mais de 4 mil cômodos. A visita pelo interior impressiona pela riqueza dos quartos. Eles são excessivamente decorados com tapeçarias, porcelana e obras de arte de artistas, como Goya, Velázquez e Caravaggio. Ao lado do Palácio estão a Catedral de la Almudena, construção em homenagem a uma santa árabe, inaugurada em 1983, e os Jardins de Sabatini, tão bem cuidados quanto o francês de Versalhes.

A guia brasileira Andrea Lima nos acompanha por essas andanças. Mostrou o prédio onde morava Velázquez, pintor oficial da corte espanhola nos anos 1620.

“É do lado do Teatro Real, onde acontecem apresentações de ópera, por isso é comum ver pessoas com roupas de gala e segurando seus binóculos passando por aqui”. Explica Andrea, fundadora da empresa de turismo Descubra Madrid que, há cinco anos, oferece tours para brasileiros. Podem ser feitos a pé ou de carro e incluem passeios de um dia para as cidades vizinhas.

Clássico madrilenho

Para fechar uma autêntica viagem madrilenha, o roteiro inclui a “hora do vermute”. A bebida é à base de vinho, vodca, ervas e especiarias. Voltou à moda e virou a queridinha para começar o dia “tapeando”. As tapas viraram verbo  e motivo para seguir de bar em bar no sábado ou domingo à tarde.

“A hora do vermute começa ao meio-dia. Vamos indo pela rua em vários bares, até terminar o dia em uma balada, teatro ou jantar”. Conta Carlos Calvo, gerente do hotel ME Madrid, revelando que a Calle Ponzano é o destino preferido para a noite.

Aos domingos à tarde, é a região La Latina que vibra com bares e mesas ao ar livre. Muitas pessoas “salindo de caña” – outra expressão importantíssima, que significa sair para beber cerveja. Os domingos também são movimentados nessa região. El Rastro é uma feirinha de rua que acontece aos domingos há 400 anos na rua Ribera de Curtidores. Vendedores de antiguidades e quinquilharias se reúnem entre fotogênicos prédios baixos com sacada de ferro. Atraindo milhares de pessoas para suas barraquinhas. Uma muvuca boa para deixar lembranças animadas de Madrid.

Hotel Ritz - Madrid
Onde ficar

No palácio da Belle Époque, o hotel Ritz nos leva de volta aos tempos de sua inauguração. Nesta época, ela foi exclusiva para os convidados do rei Afonso XIII. Muitos detalhes são preservados: os tapetes persas feitos à mão, a fachada de pedra branca, os lençóis de linho. Além do deslumbrante jardim que fazia parte do Real Jardim Botânico. Hoje recebe eventos, jantares e o tradicional brunch de domingo.

As 108 suítes já hospedaram celebridades, como Nelson Mandela, Frank Sinatra e Eva Perón. Elas têm decoração palaciana e varandinha com vista para o Museu do Prado e Triângulo de Ouro da Arte. O hotel foi comprado pelo grupo Mandarin Oriental em 2015 e passará por uma restauração em breve.

Como chegar

A Avianca Brasil tem acordo de codeshare com a Air Europa, companhia aérea espanhola. Com isso, o bilhete aéreo pode ser comprado pelo site da Air Europa ou da própria Avianca Brasil. Operado diariamente em um avião Boeing 777-300, o voo é direto.

Voo para Madrid (MAD): 16:05 São Paulo (GRU) – 05:30 Madrid (MAD)

Por Camila Silva Balthazar

Veja Também

1 Comentário

Ma Do 18 de janeiro de 2017 at 12:31

Ola! A AirEuropa tem varios destinos no Brasil. Somente os vôos saindo de GRU às 16:05 tem code-share com a Avianca?

Responder