Tag

Rio de Janeiro

montagem3azul 2

Considerada a comédia de maior sucesso de 2013 na Broadway, “Vanya e Sonia e Masha e Spike” chega ao Rio na montagem dirigida por Jorge Takla, que celebra os 40 anos de trajetória artística com sua estreia nesse gênero. Com texto de Christopher Durang, o espetáculo tem tradução de Bianca Tadini e Luciano Andrey, realização da Takla Produções e um elenco formado por Marília Gabriela – que há 20 anos iniciou sua carreira como atriz no filme Jenipapo e agora completa 15 anos de teatro -, Elias Andreato, Patrícia Gasppar, Bruno Narchi, Juliana Boller e Teca Pereira. A peça faz referências aos personagens do escritor russo Tchekhov e mostra os acontecimentos inesperados e confusões de uma família a partir da visita de uma das irmãs, uma estrela de Hollywood. “Em 40 anos fiz todos os gêneros de teatro. Dirigi óperas, musicais e dramas. Eu gosto muito de comédia, mas nunca tinha encontrado nenhuma que me tocasse ao coração, além de rir, naturalmente”, diz o diretor sobre a peça que estreia dia 30 de julho no Teatro dos Quatro.

Marília Gabriela, que estava fora dos palcos desde 2008, interpreta Masha, uma artista rica e famosa que namora um rapaz 30 anos mais jovem. “Sou a irmã que foi embora e virou atriz de cinema, e volta para uma visita trazendo o namorado. Quando Jorge Takla me convidou tive um momento de hesitação, pois estava envolvida em outro projeto. Ele elegantemente disse que não era para logo e sugeriu que eu lesse a peça, o danado. Me mandou o texto por e-mail rapidinho, e eu, enxugando as lágrimas das gargalhadas que soltei desde o primeiro parágrafo até o final, liguei e disse para ele: sou sua! “.

                A comédia transcorre nos tempos atuais em uma tranquila cidadezinha, no verão da Pensilvânia. Até quando a irmã famosa Masha (Marília Gabriela), grande estrela de cinema de Hollywood, com cinco casamentos no currículo, decide visitar seus irmãos acompanhada do namorado, o jovem sensual Spike (Bruno Narchi), ator iniciante, que ambiciona a fama.

Os irmãos solteirões de Masha são Vanya (Elias Andreato), um cinquentão resignado com sua vida, desde a infância na casa de campo dos pais com sua irmã adotada, e Sonia (Patrícia Gasppar), melancólica, que sonha com o impossível, e nunca teve um namorado. A trama também conta com a inocente e sincera Nina (Juliana Boller), jovem aspirante à atriz, deslumbrada com o teatro e cheia de energia, e com a faxineira Cassandra (Teca Pereira), inteligente e ardilosa, que acredita ter poderes de vidência e profetiza todo o fim de semana memorável, cheio de rivalidade e arrependimento da família explosivamente engraçada.

“Vanya e Sonia e Masha e Spike” traz através do humor de seu texto e personagens, uma reflexão sobre a busca por identidade e sentido na vida no mundo contemporâneo. “A força desta deliciosa comédia se deve aos seus personagens loucamente humanos, a esta família adoravelmente maluca, a esta “fatia de vida” situada num momento em que um mundo está acabando e outro começando. Seres humanos se adequando (ou não) a novos valores, esperneando, mas descobrindo, com leveza e humor, que apesar de tudo, o nosso único porto-seguro ainda é a família”, opina Takla.

Dramaturgo americano, Christopher Durang é conhecido por suas obras de humor negro e por tratar de questões polêmicas como dogmas religiosos, abuso infantil e homossexualidade. Com seu trabalho reconhecido nos EUA, Durang teve diversos espetáculos montados no circuito Broadway e Off-Broadway, entre eles Miss Witherspoon e Beyond Therapy. Contando com nomes como David Hyde Pierce, Kristine Nielsen, Sigourney Weaver e Billy Magnussen no elenco, “Vanya and Sonia and Masha and Spike” teve grande receptividade do público e da crítica em sua montagem americana, sendo considerada pelo The New York Times como “delirantemente engraçada”.

Jorge Takla é formado pelo Conservatório de Artes Dramáticas de Paris. Trabalhou como assistente de direção de Bob Wilson. Atuou e dirigiu La Mamma, em Nova York e  tem no currículo mais de 100 espetáculos entre teatro, musicais e ópera. “Nada na montagem brasileira é réplica da encenação americana. Quis um espetáculo bem realista. O cenário é uma casa na Pensilvânia com 14 metros de comprimento e 3,5 de altura. Estilo casa de campo americano, mas bem específica, com grama, árvores, flores, panelas, móveis de vime, etc”, detalha Takla sobre a sua encenação de “Vanya e Sonia e Masha e Spike”.

Assinado por Attilio Baschera e Gregorio Kramer o cenário reproduz a casa dos irmãos Sonia e Vanya. Theodoro Cochrane é responsável pelos figurinos, entre eles uma fantasia de Branca de Neve usada por Marília Gabriela. Completam a ficha técnica Feliciano San Roman e Duda Molinos com as perucas e o visagismo, e Ney Bonfante na iluminação.

FICHA TÉCNICA DO ESPETÁCULO- Vanya e Sonia e Masha e Spike

 

Direção: Jorge Takla

Texto: Christopher Durang

Tradução: Bianca Tadini e Luciano Andrey

Elenco: Marilia Gabriela, Elias Andreato, Patrícia Gasppar, Bruno Narchi, Teca Pereira e Juliana Boller

Cenário: Attilio Baschera e Gregorio Kramer

Figurinos: Theodoro Cochrane

Iluminação: Ney Bonfante

Sonoplastia: Fernando Fortes

Maquiagem: Duda Molinos

Perucas: Feliciano San Roman

Realização: Takla Produções

 

SERVIÇO

Temporada: de 30 de Julho a 27 de setembro

Local: Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 , Gávea

Horários: Quinta a sábado às 21h;  domingo às 20h

Gastronomia

Rio Burger Tour

26 de junho de 2015 0 comentário

RBT2 (1)

Depois da onda das temakerias, das iogurterias e, mais recentemente, das gelatterias (sorveterias metidas a chique) parece que o queridinho dos chefs é o bom e velho hamburger! A moda agora no Rio e no Brasil são as hamburguerias!

Sendo assim, eu e mais uma confraria de amigos glutões nos reunimos com o objetivo de fazer análises divertidas e criteriosas desses grandes expoentes burgerísticos de nossa cidade. Na verdade, o objetivo é se empanturrar de hamburger, mas tudo bem. O resultado acabou virando o Instagram @RioBurgerTour, onde depositamos belas fotos e nossas críticas sinceras, por vezes duras ,mas sempre bem-humoradas!

RBT1 (1)

Para vocês terem uma noção desse árduo trabalho, segue nosso Top 3 até o momento!

Meating Homemade Burgers (Gávea)
O hamburger, ponto central do tipo de sanduba em questão, deixa um pouco a desejar. A suculência orgásmica está lá, mas meio aguado e de sabor pouco marcante (retrogosto fraco). O pão é saboroso na medida certa, não ofuscando a harmonia do “prato” e contribui muito para o sabor geral da refeição. Amarelo, gostoso e fofo como um filhote de labrador. O queijo, apesar de ser um esnobe Ementhal, poderia ter mais personalidade, parece um mero acompanhamento obrigatório. O bacon caramelado e curado no whisky Jack Daniels é delicioso e eleva a nota geral, mas poderia contribuir ainda mais se tivesse presença mais generosa e não uma mísera tirinha depressivamente solitária. O molho é interessante e bem servido. O tamanho não é grande de assustar mas é suficiente para deixar o comensal satisfeito. Ah, apesar de não entrar na avaliação, os milk-shakes de “pumpkin” (a boa e velha abóbora) e “cheesecake” nos fizeram gemer de prazer tão alto que fomos expulsos da casa por atentado violento ao pudor.
Nota: 7,1

– Puro Restaurante (Jardim Botânico)
Nossa renomada equipe de especialistas foi conhecer hoje o Puro, no JB (RJ). Sei que nossa missão é exclusivamente focar e destrinchar os mistérios dos burgers cariocas, mas é impossível não mencionar a decoração, atendimento e, principalmente, a apresentação dos pratos. É tudo tão bem pensado e perfeito que a própria cozinha do estabelecimento fica à mostra. E uma casa tem que se garantir muito pra exibir sua cozinha. Porque todo mundo sabe, né? Cozinha de restaurante é que nem passado de mulher: se você conhece, acaba não comendo. Mas vamos às burguesas.
O Puro Burger é bem servido, o pão é macio e saboroso, o tomate vem cozido e temperadinho, as cebolas são caramelizadas, a carne é bem alta e vem no ponto certo, até o queijo mineiro, que poderia ser simples, tem sabor especial. Única observação talvez seja a ausência de um molho especial para dar uma graça.
Um burger correto tem que ter uma presença maior (tamanho x-large! Não regulem miséria, burger chefs!) e um gourmet burger precisa ter uma graça a mais (#ficaadica).
Nota: 7,7

– Hellish Pub (Tijuca)
Tamanho que impressiona e sabor do hamburger digno de um churrasco nos pampas! O pão é generoso mas podia puxar um pouco mais no sabor (mtas hamburgerias consideram o pão um mero invólucruo do sanduíche-iche-iche). O queijo é derretido no ponto e vem em quantidade, um charme especial para esse ingrediente fundamental do clássico x-burgui. Tem que ser aquela lava amarela derretendo-se para fora, tal e qual nos anúncios de burger americanos. Os acompanhamentos variados e bem feitos (com direito a Onio Rings do tamanho do pneu de um pequeno veículo automotor) tornam esse espécime de burger um verdadeiro caso de amor!
Nota: 8,0

– Hamburger do Kabeça: esse é só para convidados. Em se tratando de hamburger não poderia deixar de mencionar o cheeseburger do meu amigo Ricardinho Cabeça. Economista metido a chef, ele recebe um seleto grupo de amigos em sua piscina e prepara na churrasqueira um hambúrguer que leva gema de ovo, cebola, molho inglês e queijo ementhal entre outros ingredientes secretos. O tamanho é grosseiro (não cabe na boca) e o sabor é incomparável! Mas, como eu disse, é só para VIPs: vocês vão ter que confiar na minha palavra. 😉

Nota: 10!

Se quiser conferir mais dicas, fotos e reviews divertidíssimos: @RioBurgerTour! 😉

 

DestinosNacionaisRio de Janeiro

Parabéns Rio!

1 de março de 2014 1 Comentário

AAAAAAAAAAA

Se existe um lugar no mundo que sempre surpreende, não importa quantas vezes você visite, esse lugar é o Rio de Janeiro!

Hoje a cidade completa 449 anos e a melhor maneira de homenagea-la, é dando as dicas de como aproveitar tudo que ela tem para oferecer. Opções para todos os gostos e bolsos não vão faltar, afinal não é qualquer cidade que é mundialmente conhecida como “Cidade Maravilhosa”!

Pra começar muito bem o dia, experimente tomar café da manhã no Parque Lage. Difícil definir o que encanta mais, se são as opções do D.R.I bar, ou se é a experiência de tomar café contemplando os jardins do Parque, o Corcovado e o Cristo Redentor. Nada mal começar a dia assim né?

Se você é fã de praia, não precisa nem se preocupar para onde ir depois do café, a cidade tem praias maravilhosas de ponta a ponta, de norte a sul, do Leme ao Pontal (Obrigado Tim). Mas se você procura um programa diferente, que tal um passeio pelo centro da cidade? Não importa a sua religião, a Igreja de São Francisco da Penitência é parada obrigatória. Com arquitetura barroca e toda revestida em ouro, é considerada uma das igrejas mais bonitas do Brasil!

Ainda pelo centro, outro ponto imperdível é o Theatro Municipal. Eleito uma das 7 maravilhas do Rio de Janeiro, é a principal casa de espetáculos do Brasil. Mas fique atento, as visitas são guiadas, por isso é importante agendar com antecedência para não perder a viagem.

A pouco mais de 1 km do Municipal, você vai encontrar uma das regiões mais boemias e “cariocas” da cidade: o bairro da Lapa. Lá você vai encontrar diversas opções de bares e restaurantes, e ainda vai conhecer um dos cartões postais carioca, os Arcos da Lapa.

Se a sua é esporte, o Rio de Janeiro é a cidade ideal. Com opções no mar, na terra e no ar, a cidade oferece desde a adrenalina de um voo de asa delta, até uma divertida e surpreendente pedalada pela orla carioca.

Com o final do dia se aproximando, a melhor pedida é ir admirar o por do sol da Mureta da Urca. De lá, você vê o sol se despedindo da Baía da Guanabara, proporcionando uma das mais belas vistas da cidade.

Pra fechar o dia com chave de ouro, você tem que conhecer um dos botequins mais tradicionais do Rio, o Jobi. Fundado em 1956, ele é uma das opções mais procuradas pelos turistas e moradores da cidade em busca de uns bons petiscos e claro, um chope gelado.

É por essas e por muitas outras opções que o Rio continua surpreendendo quem o visita.

Parabéns Rio de Janeiro!

 

 

Parque Lage: Rua Jardim Botânico, 414 – Jardim Botânico

Igreja de São Francisco da Penitência: Largo da Carioca, 5 – Centro

Theatro Municipal: Praça Marechal Floriano, s/n – Centro

Arcos da Lapa: Praça Cardeal Câmara, s/n – Largo da Lapa

Mureta da Urca: Rua Cândido Mendes – Urca

Jobi: Av. Ataulfo de Paiva, 1.166 – Leblon

Época de férias e um monte de gente me liga, manda e-mail, inbox, tuíta,… Perguntando: pra onde eu vou viajar. Muitos querem dicas, sugestões inesperadas, roteiros fora do padrão, destinos inexplorados… E quase todos acabam se decepcionando com a resposta. A grande verdade é que, para alguém que viaja como profissão, a última coisa que quero fazer quando tenho um tempinho para dedicar aos amigos e família é viajar.

Não me entendam mal, eu amo o que faço! Acho que viajar é a maior aula que a vida pode oferecer e não perco a oportunidade de desbravar praias virgens na Grécia, curtir as delícias culturais da Europa ou me divertir nos brinquedos novos da Disney. Mas a questão é que, esse período de recesso e férias coletivas é quando posso estar junto dos meus amigos e familiares. Portanto, não faz sentido se aventurar solitário, em casal ou com um grupo específico de companheiros quando posso ficar na minha “hometown” e dedicar uma enormidade de dias, eventos e programações a meu (felizmente) imenso grupo de amigos do peito.

Minha cidade Natal, no caso, é o Rio de Janeiro. Consequentemente, existe uma boa quantidade de roteiros que já percorri por aqui com amigos locais e visitantes. Sendo assim, o que não faltam são roteiros diferenciados. Do Turistão Básico ao Viajante Tradicional passando pelo Explorador Alternativo. Deixarei aqui, então, alguns dos points mais deliciosos de minha amada e exaustivamente explorada cidade natal do Rio de Janeiro. Locais que podem agradar a todos os gostos e que nem sempre são encontrados nos Guias mais comuns.

Segue, roteiro do Fran de um dia na Cidade Maravilhosa:

 1- Café da manhã no Forte de Copacabana: OK, talvez este seja mais comum, mas a dica aqui é chegar cedo. Antes das 10h, o horário mais fácil de achar vaga na área, é quando o Forte abre as portas para os visitantes. Assim você consegue garantir uma mesa na Confeitaria Colombo e provar a Torrada Petrópolis com Vaca Preta (Sorvete de Creme com Coca-Cola).

 2- SUP em Copa: Stand Up Paddle é a modalidade de esporte que contagiou o Rio e a melhor maneira de praticar um esporte leve e prazeroso logo pela manhã. Parece mais difícil do que é. Em alguns segundos qualquer um consegue se equilibrar em pé na prancha e passear a remadas pelo canto da praia de Copacabana e observar sua beleza do melhor ângulo: o de dentro da água. Tombos são refrescantes, divertidos e parte da experiência.

 3- Almoço em Santa Teresa: o Aprazível é o lugar! Ambiente agradável e uma vista deslumbrante (desta vez, do alto). E a comida é excelente! Você consegue até vistas melhores, mas sem esforço e acompanhada de uma caipirinha e um prato de filé de tilápia com arroz de coco, só aqui mesmo.

 4- Trilha do Morro Dois Irmãos: O café foi light, o esforço do SUP não foi quase nada e o almoço foi leve e tranqüilo. Há espaço para fazer uma trilha até o alto do Morro Dois Irmãos. São apenas 40 minutinhos e não têm escaladas ou trechos radicais como a da Pedra da Gávea ou cachoeira do Horto. Lá do alto você tem uma das vistas mais lindas da Lagoa Rodrigo de Freitas, o único ângulo em que ele forma a imagem de um coração.

 5- Chopp na Mureta da Urca: Para fechar o dia com chave de ouro! E chopp gelado! E mais uma vista deslumbrante da cidade mais linda do mundo! 😉

 

 

André Fran é um dos apresentadores do programa “Não Conta lá em Casa” cuja temporada em Israel e Palestina vai ao ar toda 5a feira às 21h30 no canal Multishow.

Relatos

O Ano Novo pelo Mundo

2 de janeiro de 2014 0 comentário

aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Se você acompanhou o último texto (link) que mostrava como o Natal é celebrado mundo a fora e achou tudo muito estranho ou peculiar, prepare-se para conhecer como o ser humano comemora a passagem do ano em diferentes culturas. Divertido imaginar que roupas brancas e fogos de artifício à meia-noite possam ser encarados como tradições completamente estranhas para essas culturas abaixo.

 

África do Sul- especialmente em Johanesburgo, rola a esquisita tradição de jogar aparelhos domésticos velhos pela janela. Sim, isso mesmo.

 

Colômbia- para simbolizar a mudança do velho pro novo, de uma nova época, de novos tempos… o pessoal passeia com malas velhas pela sua vizinhança.

 

Japão- os japoneses, é claro, rumam para o templo mais próximo onde sinos badalam obrigatórias 108 vezes. Ah, e se fantasiam como o animal característico do ano que se aproxima. No caso de 2014, o cavalo.

 

Dinamarca- essa é uma das mais legais. Os dinamarqueses arremessam copos e pratos velhos nas portas de parentes e amigos. Como se não bastasse, dançam em cima de mesas e cadeiras e pulam destas à meia-noite. A idéia é entrar no ano novo deixando maus espíritos para trás.

 

Espanha- o povo come 12 uvas assim que dá meia-noite. A idéia é que cada uma delas traga boa sorte para um mês do ano vindouro! E depois bebem muito vinho, claro.

 

Panamá- eles têm a tradição de queimar bonecos que representam maus espíritos em grandes fogueiras comunitárias. Os bonecos inclusive podem representar figuras públicas, políticas e até da televisão.

 

Escócia- a primeira pessoa a adentrar um lar no ano que se inicia deve, impreterivelmente, entregar um presente ao dono da casa. Como estamos falando de Escócia, claro que esse presente geralmente é uma garrafa de whisky.

 

Brasil- Tirando os básicos fogos de artifício e as roupas brancas, as roupas íntimas novas para entrar o ano novo são uma tradição que muitos estrangeiros encaram como, no mínimo, peculiar.

 

 

André Fran é um dos apresentadores do programa “Não Conta lá em Casa” cuja temporada em Israel e Palestina vai ao ar toda 5a feira às 21h30 no canal Multishow.

a

Ficou ainda mais irresistível viajar de Avianca!

Você pediu, nós atendemos: durante os próximos três meses, a partir do dia 16 de março, o serviço de bordo da ponte aérea São Paulo (Congonhas) – Rio de Janeiro (Santos Dumont) será do seu jeito! Esfihas fechadas, de sabores variados, e mousse de chocolate.

A enquete, que ficou no ar até o dia 17 de fevereiro no nosso facebook, sugeriu nove combinações de salgados e sobremesas para os internautas escolherem a favorita. Entre as opções – três salgados e três sobremesas -, além das esfihas e da mousse de chocolate, estavam empanadas e muffins salgados, brigadeiro com beijinho e profiteroles. A combinação favorita dos internautas foi eleita com mais de 50% dos votos!

Compre já a sua passagem para a cidade maravilhosa e aproveite cada segundo do seu voo saboreando essas delícias!

 

Musical mais badalado do Brasil no ano, “Vale Tudo, o Musical” terá mais uma vez o apoio cultural da Avianca.

Sucesso de público, crítica e bilheteria, o espetáculo é comandado com brilhantismo por Tiago Abravanel e Danilo de Moura, que junto a grande elenco estão encantando plateias de todo o Brasil. Inspirado no livro de Nelson Mota “Vale Tudo – O Som e a Fúria de Tim Maia” e dirigido por João Fonseca, já foi aplaudido por mais de 100 mil expectadores.

Em pouco mais de três horas de show conta passagens engraçadas e tristes da intensa vida de Tim Maia, como sua prisão nos Estados Unidos, suas conturbadas relações amorosas e seus abusos com álcool e drogas. O repertório traz ainda, 25 grandes sucessos da carreira de Tim, desde seu inicio nos Sputniks até o seu estrondoso sucesso em carreira solo.

Após temporada de sucesso absoluto em São Paulo e turnê no Brasil, o musical está de volta ao Rio de Janeiro, no Theatro Net Rio.Garanta já o seu ingresso.

http://www.theatronetrio.com.br/programacao/48/Tim%20Maia.html

Alo dolly

O musical “Alô, Dolly”, um dos grandes clássicos da Broadway, é o mais recente apoio do Projeto Avianca Cultural.

Em cartaz no teatro Oi Casa Grande desde o dia 15 de outubro, a montagem brasileira do musical é estrelada por Marília Pêra e Miguel Falabella, que, além de atuar, assina a direção do espetáculo. A direção musical fica por conta de Carlos Bauzys e a coreografia está nas mãos da renomada Feranda Chamma.

“Alô, Dolly!” tem ainda 29 atores no elenco, uma orquestra de 16 músicos e conta a história de Dolly Levi (Marília Pêra), uma célebre viúva casamenteira que em 1890 em Nova Iorque, é contratada pelo avarento e mal-humorado comerciante de Yonkers, Horácio Vandergelder (Miguel Falabella), para lhe arranjar uma esposa na cidade grande. Dolly o apresenta a Irene Molloy (Alessandra Verney), mas inicia uma série de armações quando decide que ela mesma conquistará o bom partido e ficará rica.

Não perca esta oportunidade de conferir esse divertidíssimo musical que fica em cartaz no Rio de Janeiro apenas até o próximo dia 23.

http://oicasagrande.oi.com.br/evento/ala+dolly/43.html