Categoria

Dicas de Viagem

Hoje em dia, muitas pessoas buscam o turismo de aventura, e o Brasil é um destino perfeito para esse estilo de viagem!

Diversas regiões do país contam com uma extensa área verde, rios, montanhas, cachoeiras, entre outros atrativos. Esses elementos são cenários excelentes para contemplar a natureza e sentir a adrenalina ao realizar esportes como rapel, rafting, tirolesa, entre outras atividades.

Deseja fazer uma viagem nesse estilo e quer conhecer mais sobre o turismo de aventura? Então, continue lendo e veja as dicas que separamos sobre o assunto!

O que é o turismo de aventura

O turismo de aventura é caracterizado por viagens que envolvam esportes e adrenalina. A prática é adotada em diversas regiões do mundo e o Brasil tem grande destaque devido à natureza exuberante e a diversidade de paisagens.

O interesse por esse segmento é tão grande que existem até feiras de negócios sobre isso. A Adventure Sports Fair, que acontece em São Paulo, une esportes de aventura e turismo. É a maior feira do setor na América Latina.

No quesito lugares para conhecer e se aventurar, os brasileiros saem na frente, já que o país é repleto de cenários perfeitos para isso. Um levantamento realizado pelo portal US News coloca o Brasil no topo do ranking quando o assunto é turismo de aventura.

O título foi conquistado pelas belas paisagens, clima favorável e a oferta de atividades. Hoje em dia, muitas empresas organizam passeios desse estilo em inúmeros destinos.

Dicas para fazer turismo de aventura

O turismo de aventura pode envolver esportes mais ou menos radicais. Entretanto, independentemente da quantidade de adrenalina, é fundamental atentar à segurança para evitar qualquer imprevisto durante o passeio.

Muitas regiões contam com agências de turismo que organizam as atividades e seguem normas e procedimentos para garantir a segurança e o bem-estar dos participantes. É importante obedecer às recomendações dos guias e dos profissionais especializados.

Outras dicas são:

  • verifique a qualidade e a integridade dos equipamentos de segurança;
  • respeite as normas de segurança e restrições de altura, idade, peso etc.;
  • utilize sapatos adequados para as atividades;
  • leve protetor solar, repelente e boné;
  • hidrate-se e alimente-se ao longo do passeio;
  • não saia de trilhas demarcadas;
  • conheça e respeite os seus limites.

Destinos perfeitos para se aventurar

Agora que você sabe um pouco mais sobre o turismo de aventura, chegou a hora de conhecer destinos perfeitos para isso. Veja algumas sugestões na lista abaixo!

1. Brotas

Localizado no estado de São Paulo, Brotas é um bom destino para quem deseja realizar turismo de aventura. A região tem nascentes e lagos que se tornam propícios para atividades aquáticas.

Entre os atrativos estão passeios de rafting, canoagem e boia cross, que consiste em descidas pelo leito de rio com boias individuais. Além disso, Brotas também oferece atividades terrestres como trekking e cavalgada.

Os passeios podem ser feitos por pessoas de diversas idades e com diferentes graus de conhecimento, já que há estruturas para iniciantes, intermediários e assim por diante. Contudo, é fundamental seguir as indicações da empresa de turismo para garantir a segurança da atividade.

2. Pirenópolis

O município fica a cerca de 150 km de Brasília e é rodeado por morros, matas e rios. Essas condições geográficas fazem com que ele receba a visita de inúmeros turistas em busca de esportes e maior contato com a natureza.

Por lá é possível fazer trilhas com extensões variadas, rapel, tirolesa, arvorismo, ciclismo, entre outras atividades. Há, inclusive, atrações para crianças. Alguns dos passeios devem ser contratados com as operadoras de turismo da região.

3. Boituva

Esse é outro local interessante no interior paulista para sentir a adrenalina e a emoção proporcionada pelos esportes de aventura.

Boituva fica a cerca de 120 km da capital paulista e é o destino perfeito para esportes na altura. Muitos turistas chegam à cidade para realizar salto de paraquedas. Ela é referência na prática e conta com o Centro Nacional de Paraquedismo, que oferece cursos e saltos duplos. Outro atrativo é o passeio de balão.

4. Bonito

Bonito, no Mato Grosso do Sul, é um dos destinos mais famosos quando se fala em natureza e turismo de aventura. Por isso ele não poderia ficar de fora dessa lista!

A região tem rios e lagos com água cristalina, grutas, matas, entre outros atrativos para quem deseja realizar esportes com emoção. São cerca de 40 tipos de atividades que podem ser mais ou menos radicais.

Algumas das atrações são: passeio de bote pelo Rio Formoso, passando por corredeiras e cachoeiras; abismo Anhumas, caverna com entrada por rapel; mergulho e trilhas.

5. Florianópolis

Quando se fala em Florianópolis, imaginamos logo as lindas praias, não é? Entretanto, a região também oferece boas opções para turismo de aventura. Além das trilhas pela ilha que levam a praias e cachoeiras, há passeios mais radicais no município vizinho.

Santo Amaro da Matriz, a 35 km do centro de Floripa, é um bom local para praticar rafting. A região é cortada pelo Rio Cubatão e tem trechos de corredeiras favoráveis para a realização do esporte. Na cidade ainda é possível fazer parapente com saída no Morro do Queimado.

6. Chapada Diamantina

A Chapada Diamantina, localizada no estado da Bahia, é outro bom destino para praticar esportes de aventura. A região é caracterizada pela extensa área verde, com vales e morros, nascentes de rios e grande biodiversidade.

Por lá você encontrará atividades para todos os gostos, tais como passeios de bike, motos e quadriciclos, canoagem, trekking, tirolesa, voos livres, entre outras atrações.

A Chapada tem um território extenso que inclui mais de um município. Antes de visitá-la, informe-se sobre a região para verificar as melhores maneiras de acesso de acordo com as atividades que você deseja realizar. Além disso, é necessário contratar alguns passeios em agências e contar com um guia especializado.

Fazer turismo de aventura é uma forma diferente de conhecer um destino. A viagem proporciona experiências únicas e maior contato com a natureza — sem dúvida, esses são excelentes motivos para se aventurar pelo Brasil.

Quer fazer uma viagem nesse estilo, mas está sem companhia para o passeio? Que tal aproveitar para ir sozinho? Confira o nosso próximo post e veja como essa experiência pode ser enriquecedora!

Você já se deparou com a situação desconfortável de desembarcar do avião e não encontrar sua bagagem na esteira indicada? Certamente, quem já passou por isso nunca se esqueceu da preocupação de ter que ficar longe de seus pertences, e teme ter que lidar com o problema mais uma vez.

Infelizmente, a situação não é incomum. A ANAC (Agência Nacional de Aviação Comercial) já registrou um número crescente de reclamações no que diz respeito às malas em 2018. Apesar de o extravio de bagagem ser o pavor de qualquer passageiro, muitos não sabem o que fazer para evitá-lo e como proceder a partir do momento em que percebem a perda de seus bens.

Se este é o seu caso, não se preocupe. Neste post, você vai conhecer seus direitos e deveres na hora de lidar com a bagagem extraviada. Confira!

Onde está a minha mala?

A partir do momento em que você não conseguir localizar a bagagem no destino final, o primeiro passo é manter a calma. Afinal, existem grandes chances de que seus pertences sejam encontrados e entregues no endereço que você desejar, sem custo algum.

Para isso, é preciso fazer uma reclamação formal no balcão da sua companhia aérea. De acordo com as recomendações da ANAC, você deve procurar um funcionário antes de deixar a área de desembarque do aeroporto (isso é muito importante, pois é possível que as reclamações posteriores não sejam aceitas). Apresente o comprovante de despacho das malas junto ao cartão de embarque e documento de identificação pessoal.

Em seguida, formalize a reclamação com o preenchimento de um formulário RIB (Registro de Irregularidade de Bagagem) ou PIR (Property Irregularity Report), caso esteja no exterior. Nele, você deverá informar as características físicas da sua mala e detalhar seu conteúdo. Se você tiver contratado um seguro-viagem, também é recomendado informar sobre o extravio o mais rápido possível.

Por fim, você deve receber um protocolo ou confirmação por escrito com um número de referência. A partir dele, será possível acompanhar a busca da sua bagagem.

Quais são os meus direitos?

Segundo as resoluções da ANAC, a companhia aérea é a responsável pela bagagem desde o check-in até a entrega final ao passageiro. Se os seus pertences não forem localizados enquanto estiver no aeroporto, a empresa terá, no máximo, 7 dias (no caso de voos nacionais) ou 21 dias (no caso de voos internacionais) para encontrá-los e enviá-los ao endereço indicado no registro de perda.

Se esse prazo for ultrapassado e o passageiro permanecer sem a bagagem, a companhia deverá indenizá-lo em até 7 dias. O valor dessa indenização pode chegar até em 1131 DES (Direitos Especiais de Saque), uma espécie de moeda internacional cuja cotação varia diariamente.

Além disso, se estiver fora de sua cidade, o passageiro também terá direito a um ressarcimento extra. Esse reembolso serve para garantir o acesso a itens básicos, como roupas, alimentos e produtos de higiene pessoal. É importante lembrar que esse ressarcimento terá o valor e limites diários definidos de acordo com cada companhia aérea. Em todos os casos, a empresa deve efetuar o pagamento em até 7 dias.

Como evitar o extravio de bagagem?

Não existem medidas que podem excluir a possibilidade de um extravio de bagagem de forma definitiva. No entanto, várias atitudes simples podem minimizar as chances de isso acontecer.

Identifique a mala

Fixar uma etiqueta ou cartão com seu nome e contato é fundamental para evitar furtos, extravios e até mesmo a troca acidental. Fitas coloridas, acessórios, tags e adesivos também são boas maneiras de diferenciar sua bagagem das demais — especialmente se o tipo de mala for muito comum e não tiver nenhum detalhe chamativo.

Prefira conexões com a mesma companhia

Embora nem sempre seja possível fazer uma viagem sem conexões, dê preferência por realizar todas elas com a mesma companhia aérea, quando possível. O motivo é simples: o transporte da sua bagagem entre duas empresas pode aumentar as chances de extravio.

Quando você opta por viajar em aeronaves diferentes, está sujeito a atrasos no embarque e desembarque causados por imprevistos como condições climáticas desfavoráveis, check-in muito próximo ao horário da decolagem, falhas de comunicação entre funcionários do aeroporto etc.

Declare o valor antes da viagem

No momento de check-in, é possível optar pela declaração antecipada do valor estimado de seus pertences. Caso escolha essa alternativa, o passageiro deverá pagar uma pequena taxa (a ser definida pela empresa) e revisar o valor declarado pela companhia aérea.

Essa declaração não contempla a inclusão de bens de alto valor, como joias, dinheiro em espécie e eletrônicos. Por isso, esses tipos de itens sempre deverão estar presentes apenas na bagagem de mão.

Outra dica é incluir uma muda de roupas limpas, medicamentos e acessórios de primeira necessidade (como escova de dentes, agasalho e desodorante) junto a eles, para estar preparado em caso de imprevistos.

Confira seus dados

Ao despachar a bagagem, não deixe de conferir se a etiqueta recém-impressa apresenta:

  • o seu nome e sobrenome;
  • o número do voo;
  • o nome do destino;
  • o dia e horário do embarque.

Verifique se todas as informações estão corretas. Além disso, se utilizar a mesma mala de novo em uma outra viagem, não se esqueça de remover as etiquetas antigas (correspondentes aos trechos anteriores) para evitar enganos.

Utilize um rastreador

Você sabia que já existem diversos tipos de dispositivos para localizar sua bagagem em tempo real? Algumas etiquetas inteligentes, como a Super Smart Tag ou rastreadores como o Autotrac indicam onde as malas estão por meio da conexão com aplicativos, e-mail ou SMS.

Uma alternativa que está se popularizando no Brasil são as malas inteligentes, que já contam com um rastreador embutido. Apesar de ainda ser um recurso novo (e um pouco mais caro), a competição entre fabricantes tende a reduzir os preços com o tempo.

Agora que você já sabe o que fazer para resolver e prevenir o extravio de bagagem, fique atento a essas orientações na próxima viagem e lembre-se de nunca deixar sua mala desacompanhada. Outra dica é permanecer sempre próximo à esteira nos momentos de desembarque e deixar para ir ao banheiro apenas quando tiver seus pertences em mãos.

Se você gostou deste post, aproveite para curtir nossa página do Facebook e conhecer mais dicas para ter uma viagem tranquila. Você ficará por dentro de todas as novidades do blog e ainda poderá interagir com as postagens!

A combinação entre gravidez e viagem aérea sempre gerou muitas dúvidas. Afinal, toda gestante quer se manter segura para preservar a saúde de seu bebê, e as mudanças bruscas de pressão podem ser um motivo de preocupação e tanto para os amigos e familiares das futuras mamães. Afinal, grávida pode viajar de avião ou não?

A verdade é que tudo depende da condição da mãe e do bebê, além das orientações do médico. Sendo assim, cada caso deve ser analisado com cautela.

Neste post, você vai descobrir o que deve levar em conta antes de agendar seu passeio e ainda aprender algumas dicas para ter uma viagem tranquila. Veja só!

Quando a grávida pode viajar de avião?

Teoricamente, toda gestante pode viajar de avião quando ela e o bebê se encontram em um bom estado de saúde. Mas o médico obstetra é a pessoa ideal para conceder essa informação.

Não existem grandes empecilhos para viajar no primeiro ou segundo trimestre, ou seja, até 27 semanas de gravidez — desde que a mãe não apresente sangramentos, pressão alta, insuficiência placentária, diabetes ou outros tipos de complicações que requerem cuidados extras.

Alguns obstetras não recomendam as viagens de avião antes dos três primeiros meses de gravidez. Nessa fase, os riscos de aborto e parto prematuro são um pouco maiores, em virtude dos efeitos causados pelas mudanças de pressão na formação inicial do feto. Além disso, a gestante pode se sentir bastante indisposta ou enjoada durante o trajeto, o que atrapalha as viagens mais longas.

De forma geral, para garantir o bem-estar e saúde da gestante, também não é recomendável viajar sete dias antes ou após o parto.

Quando é necessário apresentar um atestado médico?

A maioria das companhias aéreas permite que as grávidas viajem sem a apresentação de um atestado até a 28ª semana de gestação. Entretanto, as políticas individuais podem variar, principalmente quando a mulher está esperando gêmeos ou teve alguma complicação anterior (como abortos ou partos prematuros).

Em geral, o recomendado é que um atestado médico seja emitido para cada voo a partir da 28ª semana — tanto para a ida quanto para a volta. O documento deve ser detalhado, incluindo o tempo máximo de voo permitido, idade gestacional e autorização expressa para a viagem. A partir desse período da gravidez, também poderá ser necessário preencher um termo de responsabilidade fornecido pela própria companhia aérea.

Depois da 36ª semana, pode ser obrigatório o acompanhamento de um médico durante a viagem. Também é necessário preencher mais um formulário: o MEDIF. Trata-se de um documento voltado para pessoas que precisam de atenção médica especial. Ele será fornecido pela companhia aérea, e deverá ser entregue com antecedência antes do embarque.

Para os casos de gravidez múltipla, as regras mudam um pouco: pode ser preciso apresentar um atestado médico detalhado e termo de responsabilidade a partir das 25 semanas de gestação. A partir da 32ª semana, também é comum ter que entregar o MEDIF e solicitar o acompanhamento obrigatório de um médico.

É importante consultar o regulamento da sua companhia aérea para ter acesso às regras e evitar surpresas. Outra recomendação é considerar a data de validade do atestado recebido e a quantidade de semanas de gestação que a futura mamãe terá na volta da viagem.

Em quais tipos de aeronaves as grávidas podem viajar?

Muitas pessoas ficariam surpresas ao saber que gestantes não podem viajar em qualquer tipo de aeronave. Existem limitações no que diz respeito às dimensões e ao espaço da cabine.

No geral, a grávida pode viajar de avião, mas deve evitar as aeronaves muito pequenas — em especial quando não contam com cabines pressurizadas. O motivo é simples: nesses casos, a pressão interna do ar poderá ser inferior ao passar por altitudes mais baixas. Consequentemente, o corpo acelera os batimentos cardíacos e a pressão arterial, na tentativa de absorver oxigênio.

Essas mudanças no funcionamento do organismo não costumam resultar em problemas. Entretanto, em algumas situações podem representar um risco real para a saúde dos bebês e mães — principalmente aquelas que sofrem com hipertensão, anemia ou predisposição para a formação de coágulos sanguíneos. Se ainda assim for preciso viajar em uma aeronave pequena (ou um helicóptero, por exemplo) o ideal é que isso seja feito, no máximo, até a 35ª semana.

Quais cuidados devem ser tomados durante a viagem?

Diversas atitudes simples podem tornar a viagem de avião mais confortável, tanto para a gestante quanto para o bebê.

Escolha os assentos certos

É recomendado reservar os assentos localizados no meio do avião (próximos à asa), pois a estabilidade no decorrer do voo é maior nesses espaços. Outra dica é se sentar perto do corredor, já que a necessidade de ir ao banheiro costuma ser mais frequente na gravidez.

Cuide dos pés e pernas

Para evitar danos à circulação, evite passar muito tempo imóvel em sua poltrona durante o voo. Levante-se para alongar as pernas e realizar caminhadas pelo avião quando o aviso para o afivelamento de cintos estiver apagado. Faça exercícios com os pés, tornozelos e pernas enquanto permanecer sentada.

Para não ter o desconforto causado por inchaços, use uma roupa bastante confortável e meias de compressão, evitando calças jeans ou peças muito justas (principalmente em voos longos).

​Alimente-se bem

Não passar muito tempo sem se alimentar é essencial para não sentir náusea, azia ou tontura durante a viagem. Por isso, leve alguns lanchinhos na bagagem de mão, como barras de cereais, bolachas integrais ou castanhas.

Também vale a pena checar o menu do avião para evitar os alimentos que causam gases (com a altitude, seus efeitos podem se expandir e causar desconforto). Além disso, bebidas como café, chá e sucos cítricos têm ação diurética, o que pode aumentar ainda mais a frequência de idas ao banheiro.

​Realize um seguro

​Nunca abra mão de contratar um seguro de viagem especial para gestantes, seja o seu destino nacional ou internacional. A cobertura médica permitirá que você lide com imprevistos e se sinta mais segura em qualquer situação, para que possa aproveitar o passeio sem preocupações!

Seguindo essas dicas, você poderá desfrutar de uma viagem muito mais confortável e ainda manter o seu bebê mais protegido!

Agora que você já sabe quando a grávida pode andar de avião, não deixe de dividir essa informação com seus familiares. Compartilhe o conteúdo nas suas redes sociais!

Está se planejando para curtir o Carnaval com crianças? O evento faz parte da nossa cultura e atrai diversos foliões para ruas e clubes de muitas cidades. Contudo, para se divertir com os pequenos, é importante analisar os lugares da festa com atenção.

Uma das dicas para garantir o conforto e a segurança durante o feriado é escolher locais mais tranquilos, assim toda a família poderá aproveitar o evento da melhor forma possível.

Quer dicas de lugares para curtir o Carnaval com crianças? Este post apresenta boas opções para isso. Confira!

Locais para curtir o Carnaval em família

1. São Paulo

São Paulo é uma cidade bastante populosa e movimentada. Com a diversidade de passeios, blocos e festas, é possível encontrar locais tranquilos para se divertir com a criançada durante o Carnaval.

Uma dica importante é montar o roteiro previamente e avaliar os eventos da região. Algumas ruas do bairro de Pinheiros e da região central, por exemplo, ficam fechadas e com muito movimento devido à realização dos blocos de Carnaval. Sendo assim, analise isso antes de sair e, se possível, utilize o transporte público.

Entre as opções de lugares e eventos para curtir o Carnaval com crianças, estão:

  • Bloquinho Gente Miúda: acontece no domingo de Carnaval a partir das 10h. A concentração será na Av. Alfonso Bovero 542, no bairro Sumaré. Entrada gratuita.
  • Unidades do Sesc: o Sesc conta com diversas unidades espalhadas pela cidade e, geralmente, oferece uma programação especial no Carnaval, com atividades e apresentações para todas as idades. Entrada gratuita.
  • Bloquinho da Vila: essa é uma das alternativas para o pré-carnaval. O evento acontece dia 24/02 na Rua Áurea (entre as ruas Conselheiro Rodrigues Alves e Morgado Mateus) na Vila Mariana. Entrada gratuita.
  • Bloco das Emílias e Viscondes: inspirado no clássico da literatura infantil, essa é outra boa opção para o Carnaval com crianças. O bloquinho será realizado na Biblioteca Monteiro Lobato dia 01/03, sexta-feira, às 15h. Endereço: Rua General Jardim, 485, Vila Buarque. Entrada gratuita.

2. Aracaju

Aracaju, em Sergipe, é um bom destino para quem deseja viajar no Carnaval com crianças. A cidade não está entre os principais circuitos da festa no Nordeste, por isso conta com comemorações um pouco mais tranquilas para curtir a folia em espaços públicos e privados. Alguns hotéis também costumam organizar eventos especiais para a data.

Além disso, você pode aproveitar os dias de folga para descansar, conhecer as praias e passear pela cidade. Entre as sugestões de hospedagem estão o Aruanã Eco Praia Hotel, Hotel da Costa e Makai Resort.

3. Belo Horizonte

A capital mineira também é um bom local para visitar no Carnaval com crianças. Ela tem uma programação diversificada e, se você quiser fugir da folia, pode incluir a visita aos museus, centros culturais e parques da cidade. Veja algumas sugestões:

  • Bloco Bicharada: o bloco faz a sua estreia no Carnaval BH 2019 e é um das opções para curtir a folia com mais tranquilidade. A ideia é que os minifoliões se fantasiem de seus bichos preferidos. O evento acontece dia 23/02 às 10h na Praça São Francisco de Assis, Pampulha. Gratuito.
  • BH On Ice: se a ideia for fugir da folia, a pista de patinação montada no BH Shopping é uma boa alternativa para entreter o público infantil. A estrutura ficará disponível até o dia 24/03. O ingresso custa a partir de R$ 40.
  • Museu dos Brinquedos: esse é mais um local para diversificar a programação do Carnaval. Por lá, as crianças poderão conhecer a história dos brinquedos e participar de atividades especiais.

4. Rio de Janeiro

A cidade recebe inúmeros foliões durante o feriado de Carnaval e a missão de encontrar um local tranquilo para curtir com os pequenos pode parecer um pouco complicada.

A dica nesse caso é fugir de blocos badalados e grandes eventos. Outra sugestão é aproveitar as festas pré-carnaval que, geralmente, têm um público menor e se tornam uma boa alternativa para um Carnaval em família com mais tranquilidade.

Veja algumas sugestões:

  • Bloco da Pracinha: o evento acontece no dia 23/02 na Praça Pio XI no Jardim Botânico das 10h às 14h.
  • Bloco Gigantes da Lira: outra boa dica para o pré-carnaval. O bloco sai dia 24/02, horário a confirmar, na Praça Jardim das Laranjeiras, rua General Glicério, Laranjeiras. Entrada gratuita.
  • Carnaval no Shopping: alguns shoppings da cidade organizam bailinhos de Carnaval para o público infantil. Consulte a programação dos estabelecimentos da região.

Dicas para as festas de Carnaval com crianças

Escolher lugares adequados para se divertir no Carnaval com crianças é um ponto essencial. Mas, além disso, é importante dar atenção a outros fatores para garantir o conforto e o bem-estar da garotada. Veja as dicas a seguir.

Alimentação

Dê atenção à alimentação das crianças. Escolha itens nutritivos e saudáveis para que eles tenham energia para pular Carnaval e se divertir com marchinhas, confetes e outras brincadeiras.

Evite alimentos gordurosos ou pratos muito pesados, que podem gerar desconforto e atrapalhar a folia. Outra dica é quanto à hidratação. Nessa época do ano, os dias são mais quentes. Sendo assim, ofereça água, suco e frutas para a garotada.

Fantasia

A fantasia é um dos pontos altos do Carnaval, e a crianças adoram! Entretanto, é necessário ficar de olho nos tecidos e na temperatura do dia. Tecidos quentes ou com muitas camadas podem se tornar um incômodo durante a folia. Se possível, dê preferência para fantasias de manga curta e com tecidos leves.

Adereços e máscaras também são característicos do evento, mas veja se eles estão adequados e se não incomodam os pequenos. O sapato é outro elemento significativo. Escolha modelos confortáveis e que ofereçam segurança para os seus filhos brincarem.

Segurança

Mesmo que a festa seja tranquila, é fundamental dar atenção à segurança das crianças. Se o evento for na rua ou em uma área aberta, analise se ele está fechado para carros. Outras dicas são: mantenha o grupo sempre por perto, procure ficar em locais menos movimentados e coloque pulseira de identificação nas crianças.

As espumas de Carnaval também merecem atenção. Elas podem conter substâncias inflamáveis e causar alergia, por isso devem ficar longe dos olhos e da boca. O melhor é não oferecer esse item aos pequenos.

Essas foram nossas dicas para curtir o Carnaval com crianças. Separe as fantasias, defina a programação com antecedência e analise as melhores formas de acesso para que a sua família aproveite bem os dias de folia.

Gostou das dicas para planejar o Carnaval infantil? Ficou com alguma dúvida? Deixe nos comentários!

A viagem de férias é um momento especial para a família, e uma data muito aguardada pelas crianças. Você já pensou em se hospedar em hotéis temáticos para deixar a experiência ainda mais divertida?

O Brasil tem uma rede hoteleira variada e conta com inúmeros estabelecimentos que oferecem boa infraestrutura e atividades específicas para o público infantil. Além disso, é possível encontrar hotéis com uma decoração diferenciada e com atrações que seguem determinada temática.

Quer dicas de hotéis temáticos para visitar com a sua família? Então, continue a leitura e veja a lista que preparamos!

1. Ibis Styles Anhembi

O Ibis Styles Anhembi é um local interessante para se hospedar com crianças em São Paulo. Ele fica na zona norte da cidade, região que abriga o aeroporto Campo de Marte e a Praça Campo de Bagatelle, que tem uma réplica do avião 14-bis.

Pela área em que ele se encontra, já é possível imaginar a temática do hotel, certo? Se você pensou em aviões, acertou! A decoração é toda inspirada na aviação e tem elementos como nuvem, aviões de viagem, avião de papel, pista de pouso e outros símbolos.

Para passear com as crianças, você pode incluir no roteiro a visita ao Parque da Juventude, que fica a cerca de 1 km da hospedagem, e alguns atrativos da cidade como o Museu Catavento e o Parque Ibirapuera.

2. SPaventura Eco Resort

Se você estiver em busca de hotéis temáticos voltados para a natureza e aventura, o SPaventura pode ser uma boa opção. Ele fica localizado em Ibiúna, a cerca de 75 km da capital paulista, e oferece diversas atividades para quem busca interação com a natureza.

Mais um diferencial é que o estabelecimento adota o turismo sustentável. Os chalés foram construídos com materiais que não prejudicam o solo, e o aquecimento da água é feito com painéis solares, por exemplo.

Entre os atrativos do hotel, estão: ginásio poliesportivo, piscina semiolímpica, tirolesa e trilhas para passeios a pé, de bicicleta ou a cavalo.

3. Ibis Styles Balneário Camboriú

Outra unidade temática da rede Ibis fica em Balneário Camboriú, mas nesse caso a decoração é inspirada no fusca.

As crianças que gostam de carrinho vão se divertir com a decoração, que conta com um automóvel na recepção, réplica de bomba antiga, miniaturas de fusca, pista, placas e outros elementos.

Além do hotel temático — que é uma atração à parte — e dos passeios pela praia, um bom local para visitar com a criançada é o Parque Unipraias, com passeio de bondinho e atividades de aventura.

Para chegar à cidade, você pode desembarcar no aeroporto de Florianópolis, a cerca de 80 km, ou em Navegantes, que fica a aproximadamente 30 km de distância.

4. Hotel Portobello Resort e Safári

Entre as opções de hotéis temáticos de natureza, há o Portobello Resort e Safári. Ele fica em Mangaratiba, a cerca de 100 km do aeroporto do Rio de Janeiro, e é uma alternativa para curtir uma folga em família.

O hotel tem uma localização privilegiada de frente para a baía de Ilha Grande e cercado pela Mata Atlântica. Isso proporciona uma experiência completa aos hóspedes, que podem passear pela praia, fazer trilhas e observar a fauna e a flora.

Há vários atrativos para a família: o espaço kids, os passeios por piscinas naturais e claro, o safári. O resort tem uma extensa área verde que abriga diversos animais, sendo possível observá-los em passeios em veículo 4×4.

5. Hotel do Papai Noel

Como você pode imaginar pelo nome, nesse hotel de Penedo é Natal o ano todo! As crianças adoram a época natalina e se encantam com uma hospedagem nessa temática, que tem entre os itens decorativos árvore de natal, Papai Noel e as famosas luzes.

Penedo fica no estado do Rio e Janeiro e é um bom destino para viagens curtas ou em feriados. A cidade é conhecida como Pequena Finlândia Brasileira devido à influência dos finlandeses que chegaram à região em décadas passadas. Por lá, é possível visitar a casa do Papai Noel durante o ano todo, fazer passeios a cavalo, ir a cachoeiras etc.

6. Enotel Acqua Club

Na categoria resort, uma alternativa no Nordeste é o Enotel Acqua Club, em Porto de Galinhas. O sistema é all inclusive e há uma excelente infraestrutura, com parque aquático e diversas atividades de lazer para adultos e crianças. Assim, o hotel se torna um bom local para passar dias de descanso e diversão com os seus filhos.

Além dos atrativos da hospedagem, sua família pode conhecer outras praias da região, as piscinas naturais e o Projeto Hippocampus para conservação dos cavalos-marinhos.

A melhor forma de chegar a Porto de Galinhas é desembarcar no aeroporto de Recife. Dependendo da duração da viagem, você ainda pode incluir no roteiro a visita aos pontos turísticos da capital pernambucana.

7. Verdegreen Hotel

O Verdegreen Hotel é ecológico e tem uma decoração diferenciada: ele utiliza elementos que preservam o meio ambiente e valorizam a cultura local.

Ele fica em João Pessoa e é uma opção para quem busca realizar um turismo sustentável e compartilhar esse conceito com as crianças. O hotel utiliza painel solar, madeira de reflorestamento, iluminação natural, entre outras atitudes para poupar recursos naturais. Ainda conta com piscina, aluguel de bicicleta e jardim no terraço.

João Pessoa é um bom destino para visitar em família durante as férias ou em feriados prolongados. Além do passeio pelas praias, você pode ir à Ilha da Areia Vermelha (banco de areia que se forma quando a maré está baixa), caminhar pelo centro histórico e ver o pôr do sol na Praia do Jacaré.

8. Hotel Fazenda Parque do Avestruz

O Parque do Avestruz é uma opção de hospedagem na categoria hotel temático de fazenda. Ele fica em Esmeraldas, a 50 km de Belo Horizonte, e tem diversas atrações para a criançada.

Trilhas ecológicas, minifazenda e passeio de charrete são algumas das atividades que podem ser realizadas pelas famílias. O hotel também oferece boa infraestrutura com piscina adulto e infantil, copa baby, espaço kids, restaurante e complexo esportivo.

Esses são alguns dos hotéis temáticos espalhados pelo Brasil. Escolher hospedagens com uma decoração diferenciada ou que ofereçam atividades específicas, como esportes de aventura e contato com animais e natureza, é uma boa saída para diversificar a viagem e agradar as crianças.

Gostou da lista que preparamos sobre hotéis temáticos? Quer receber mais dicas de viagem? Então, curta a nossa página no Facebook para não perder as próximas publicações!

Provavelmente, você já ouviu falar sobre o nomadismo digital. Esse estilo de vida, que permite às pessoas trabalharem de forma remota enquanto viajam o mundo, tem despertado cada vez mais interesse e ganhado adeptos, em especial aqueles que sonharam com uma vida mais flexível, autônoma e livre.

Apesar de recentemente ter se tornado popular, esse lifestyle ainda é relativamente novo e poucas pessoas sabem ao certo o que é, como começar nesta jornada, quais são as profissões que permitem essa flexibilidade e quais são os prós e contras.

Se você quer se tornar nômade digital, mas ainda tem muitas dúvidas, medos e curiosidades sobre a rotina desses profissionais, a Avianca Brasil conversou com a Gabriela Temer, digital nomad e autora do blog Juju na Trip e criamos um manual completo com dicas e passos para você começar a se planejar. Confira!

Afinal, o que é ser nômade digital?

O termo “nômade digital” se refere a profissionais que aproveitam a facilidade de ter acesso à internet em qualquer lugar do mundo para trabalharem remotamente. Essas pessoas usufruem da tecnologia para viajar pelo próprio país ou por outros continentes, mas sem abrir mão de um trabalho remunerado e da carreira.

Existem dois pontos fundamentais para compreender e desmistificar a vida nômade. O primeiro é ter claro que o nomadismo digital não é uma profissão, mas um estilo de vida. O segundo é que não é equivalente a um ano sabático ou uma viagem de férias, muito pelo contrário: os nômades passam mais tempo em casa por causa do trabalho do que na rua para fazer turismo.

Segundo a blogueira Gabriela Temer, a rotina é muito semelhante à de qualquer profissional CLT. “No meu dia a dia, eu fico no blog escrevendo todos os posts, roteiros e dicas no Juju na Trip. Também fico no Instagram resgatando algumas viagens, editando fotos e buscando conteúdos interessantes. Dedico cerca de 8 horas por dia apenas nesse projeto”, afirma.

Quem pode ser nômade digital?

Atualmente, fala-se muito da possibilidade de adaptar as mais diversas carreiras para uma vida online e flexível.

Se você é médico, por exemplo, pode criar um curso online, um produto digital ou um site e falar sobre a sua área e suas experiências. Já os advogados, podem atender clientes por meio de uma plataforma de videoconferência. Até os engenheiros têm a possibilidade de se tornarem consultores e levarem a carreira para o mundo virtual.

No entanto, há algumas profissões que não exigem a presença física do trabalhador e, por isso, são as mais comuns entre os nômades digitais. São elas:

  • jornalistas;
  • redatores;
  • revisores;
  • professores de línguas que dão aulas pela web;
  • afiliados de infoprodutos;
  • secretárias virtuais;
  • assistentes remotos;
  • blogueiros de viagem;
  • fotógrafos;
  • analistas de redes sociais;
  • tradutores;
  • ilustradores;
  • programadores;
  • web designers.

Quais as vantagens do nomadismo digital?

Quem tem a oportunidade — e, claro, a coragem — de se tornar um nômade digital, tem diversos benefícios em seguir a carreira de forma independente. Entre as principais estão:

  • receber uma remuneração em qualquer local do mundo;
  • poder viajar com frequência;
  • ter flexibilidade de criar os próprios horários de trabalho e rotina;
  • ganhar dinheiro e ainda aproveitar para conhecer novas cidades ou países;
  • poder conhecer pessoas e culturas novas constantemente;
  • manter-se dentro do mercado de trabalho, mesmo à distância;
  • ter mais qualidade de vida do que em um emprego tradicional;
  • aprender outros idiomas.

Existem desafios dentro do nomadismo digital?

É claro que não é apenas de prazer que é feita a vida de um nômade. Se por um lado esse estilo de vida oferece uma experiência única, por outro pode exigir resiliência para encarar muitos desafios.

Alguns dos principais obstáculos — e que podem se transformar em dificuldades para quem adere a uma vida de trabalho enquanto viaja — são:

  • viajar para um local onde não há conexão de internet nem wi-fi. Esse fator é um dos que mais preocupam nômades digitais. Por isso é importante estudar sobre o destino e escolher bem as suas casas;
  • ter que se manter em constante pesquisa sobre os próximos países, quais são as possibilidades de moradias, as condições climáticas e se existe a necessidade ou não de vistos. Acredite, isso é trabalhoso e demanda muito tempo;
  • não ter os benefícios e a estabilidade de um trabalho formal. Isso faz com que o profissional esteja sempre em busca de novos clientes, além, é claro, de que tenha uma reserva financeira para emergências e meses com menos serviços;
  • não aproveitar tanto o destino em que se encontram, pois não são turistas e precisam trabalhar.

Quais as diferenças entre trabalho remoto e nomadismo digital?

Como já comentamos acima, ser nômade digital é algo relativamente novo, enquanto o trabalho remoto já é bastante comum na maioria das empresas.

O trabalho remoto — ou home office — é feito por profissionais que, normalmente, são freelancers ou funcionários contratados de uma corporação. Por só dependerem do uso da internet, têm a flexibilidade de fazê-los diariamente de casa.

Além disso, o trabalho remoto pode exigir a presença física do profissional no ambiente empresarial — para reuniões ou outras atividades. Assim, ele não pode viajar sempre que quiser.

Já o nomadismo digital é diferente. Ele não cobra que a pessoa esteja em um local fixo ou que visite presencialmente os clientes. Isso é o que permite que estejam sempre na estrada enquanto fazem o trabalho à distância.

Será que você tem o perfil para ser nômade digital?

Sem dúvidas a vida de um digital nomad é interessante e atraente. Porém, infelizmente, nem todos têm o perfil para levar um estilo de vida que exige desapego, foco e muita organização.

A personalidade de um profissional que viaja enquanto trabalha de forma remota, em geral, inclui características como:

  • não ter a necessidade de vínculos empregatícios;
  • ter espírito aventureiro;
  • ser extremamente comprometido e produtivo, afinal, um nômade digital precisa distinguir momentos de lazer e de trabalho — mesmo em novos países;
  • ser minimalista, pois o excesso de bagagens atrapalha o deslocamento — além de gerar custos adicionais na hora de viajar de avião para novos destinos;
  • ter facilidade de conviver com pessoas diferentes e com as mais variadas culturas.

Como se tornar, então, nômade digital?

Caso você já tenha considerado as vantagens, os desafios e decidiu que tem o perfil para ser um nômade digital, prepare-se para embarcar nessa experiência. Confira agora alguns passos:

Planeje-se financeiramente

Como já citamos acima, é fundamental que você se planeje e tenha um dinheiro reservado para passagens aéreas, hospedagens, alimentação e seguro de viagem nos meses ou períodos em que estiver com poucos clientes.

Pesquise sobre os destinos

Vale fazer um roteiro dos países que pretende morar e se informar sobre esses destinos. Veja se há locais confortáveis, sem burocracias e com preços acessíveis para alugar; se há boa conexão com a internet; e como será com a questão de vistos, vacinas e outras exigências do governo local.

Estruture o seu negócio antes de sair do Brasil

Antes de embarcar, encontre ao menos dois trabalhos que poderá fazer como nômade. Você deve ter o seu negócio bem estruturado, já com clientes e com o fluxo de caixa condizente aos gastos do país de destino. E atenção: tudo isso antes de sair de casa.

Documentos

Não se esqueça de deixar tudo acertado no seu país de origem. Contas e dívidas devem estar 100% organizadas para que você não tenha problemas ao retornar.

Além disso, se possível, deixe um familiar como seu Representante Legal no Brasil. Com uma procuração assinada, a pessoa poderá resolver qualquer problema que possa surgir com bancos e cartões de crédito, por exemplo.

É importante ressaltar que a jornada até se tornar um nômade digital de sucesso leva tempo. Como sugere a blogueira Gabriela Temer, é preciso se planejar muito antes de vender todos os seus pertences e cair na estrada.

Você perceberá também que os desafios em se tornar um nômade digital surgirão, mas com dedicação, comprometimento e muito esforço é possível criar um negócio próprio que gere lucros e renda e ainda conhecer o mundo. Quer coisa melhor?

Enquanto você se organiza para viver este estilo de vida, curta a página da Avianca no Facebook e receba muitas informações sobre o nomadismo digital, além de promoções incríveis de passagens aéreas!

A primeira viagem de avião é uma data especial para as crianças, principalmente se elas já tiverem idade para entender a ocasião.

É um momento de alegria, pois, normalmente, tem a ver com as férias ou encontros com familiares. Entretanto, é uma situação que requer alguns cuidados. Há regras e boas práticas para utilizar o transporte aéreo, e é importante conhecê-las. Assim, você garante o conforto de sua família e das outras pessoas a bordo.

Quer saber o que fazer para preparar os seus filhos para a primeira viagem de avião? Então, continue a leitura!

Separe a documentação das crianças

Um dos passos mais importantes para uma viagem de avião é separar a documentação das crianças. Veja como:

  • em voos nacionais, a viagem pode ser feita com a certidão de nascimento ou a carteira de identidade;
  • em voos para a América do Sul, o embarque pode ser realizado com o passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado;
  • em voos internacionais, é obrigatório apresentar o passaporte. Em países que exigem autorização de entrada, a exemplo dos EUA, também será necessário providenciar o visto, inclusive para bebês e crianças.

Outro ponto importante é verificar as regras de embarque para menores. Em alguns casos, uma autorização de viagem com firma reconhecida deve ser apresentada. Veja quando isso se aplica:

  • em voos nacionais, as crianças de 0 a 11 anos viajando desacompanhadas ou com pessoas sem parentesco precisam de uma autorização judicial, ou emitida em cartório. Para viajar com apenas um dos pais ou com familiares o documento não é necessário;
  • em voos internacionais, a autorização de viagem é obrigatória para crianças e jovens entre 0 e 17 anos que viajarão desacompanhadas, com apenas um dos pais, com parentes de até 3º grau ou com pessoas sem parentesco.

Converse com as crianças sobre a primeira viagem de avião

É recomendado conversar com as crianças antes da primeira viagem de avião para que elas tenham uma ideia de como será a experiência. Mas encontre o momento ideal para isso, pois falar sobre a viagem com muitas semanas de antecedência pode aumentar a ansiedade da garotada.

Alguns dias antes da viagem, procure contar como foi sua primeira experiência em uma aeronave. Além disso, você pode utilizar uma linguagem lúdica e o apoio de livros e vídeos. Explique como funciona o avião, informe que haverá mais pessoas na cabine e que algumas regras precisam ser respeitadas (como o momento do pouso e da decolagem, quando todos devem estar sentados e com o cinto afivelado), entre outras características.

Prepare a bagagem

Crianças com até 2 anos, geralmente, viajam no colo dos pais e não têm direito a bagagem de mão. Sendo assim, será necessário colocar os itens infantis na mala dos adultos.

Para ficar com as mãos livres e ter mais facilidade para segurar as crianças e apresentar os documentos de embarque, a dica é dar preferência para uma mochila. Coloque os itens essenciais para o voo, como produtos de higiene, troca de roupa, mamadeira etc.

As crianças maiores devem ir em um assento e, nesses casos, têm direito a levar uma mala de mão. Mas organize bem a bagagem, pois malas grandes e pesadas podem se tornar um incômodo para a família.

Procure tornar a viagem mais agradável

A viagem de avião envolve algumas etapas como o despacho de bagagens, os procedimentos de segurança e a espera pelo embarque. Para garantir uma viagem tranquila, é importante que toda a família esteja preparada para isso. Veja abaixo algumas dicas!

Chegue cedo ao aeroporto

Alguns aeroportos são grandes, e se locomover por eles pode ser um pouco demorado. Chegando cedo ao aeroporto, você evita estresse e desgaste da família ao estacionar, despachar as malas e passar pelos procedimentos de segurança com mais tranquilidade.

Escolha roupas adequadas

Viajar com roupas e sapatos confortáveis torna a viagem mais agradável. Além disso, separe uma troca de roupa e uma blusa de frio na mala de mão. Se alguém derrubar líquido na roupa ou sentir frio durante o voo, você terá esses itens por perto.

Dê atenção à alimentação

Procure seguir a rotina de alimentação da garotada antes da viagem para que elas não fiquem com fome ou irritadas. Outra dica é providenciar alguns aperitivos para as crianças comerem enquanto aguardam o embarque.

Leve itens de entretenimento

Os adultos costumam assistir a vídeos ou pegar revistas e livros para se entreter durante o voo. Então, nada mais justo que ter itens de diversão para os pequenos também, não é mesmo?

Separe itens de entretenimento na mala de mão das crianças. Se elas tiverem objetos para se distrair, provavelmente ficarão menos incomodadas. Algumas ideias são:

  • livros de colorir;
  • livros de histórias;
  • jogos eletrônicos;
  • carrinhos ou bonecos.

Não é preciso exagerar na quantidade de objetos. Para voos de curta e média duração, por exemplo, dois ou três itens já são suficientes. Além dos brinquedos infantis, você pode aproveitar os equipamentos de bordo para entreter a garotada. Geralmente, as aeronaves contam com telas individuais e programação de vídeo com filmes, séries e desenhos infantis.

Mantenha a tranquilidade

Durante o pouso e a decolagem, todos os passageiros devem estar sentados, e isso pode causar uma certa inquietação nas crianças. Mantenha a tranquilidade e procure distraí-las com histórias e brincadeiras. No caso das menores, é importante oferecer algo para elas sugarem, como chupeta ou mamadeira. Isso alivia a pressão dos ouvidos, que é comum nesses momentos do voo.

Essas foram nossas dicas para preparar os seus filhos para a primeira viagem de avião. Ao seguir os procedimentos listados acima, o passeio será ainda mais agradável. As crianças vão adorar a experiência!

Está em busca de passagens aéreas para a próxima viagem em família? Acesse o site da Avianca e conheça nossas rotas!

Viajar é um dos melhores investimentos que alguém pode fazer, não acha? O prazer de explorar o mundo é tão valioso quanto as experiências que acumulamos em cada aventura.

Quem se considera um viajante inveterado está sempre pronto para embarcar na próxima aventura, não importa o destino, as condições ou até o custo da empreitada. Devido à vida corrida que levamos, nem sempre é possível encontrar uma companhia para encarar a jornada. No entanto, viajar sozinho é uma oportunidade incrível de autoconhecimento, já que cada local visitado é um desafio único.

Está pensando em partir para um passeio solo? Neste guia você fica sabendo tudo o que é necessário para curtir a sua aventura mundo afora. Também vamos falar sobre alguns dos melhores destinos para viajar sozinho. Boa diversão!

Por que viajar sozinho?

Quando um viajante decide partir em uma jornada sozinho, está embarcando em uma experiência que trará muito aprendizado, autoconfiança e independência. Uma vivência dessas nos transforma em pessoas melhores e mais interessantes.

Às vezes existe um receio de ir por conta própria. Mas, tomando precauções e planejando a sua viagem com detalhes, é muito fácil e agradável rodar por aí a sós.

A falta de companhia não pode impedir alguém com o espírito de viajante correndo nas veias. As vivências que encaramos em um passeio sozinho são aquelas que nos fazem crescer.

Torne-se alguém independente, confiante e aberto a novas oportunidades. Para conhecer o mundo, o aventureiro deve “se jogar” e aproveitar cada chance de partir em uma nova jornada.

Quais são os benefícios de uma viagem solo?

Quando o aventureiro está sozinho, pode decidir todos os passos da viagem, desde a escolha do roteiro, passando pelas atrações que vai visitar até quanto tempo ficar em cada destino. A liberdade de customizar o seu passeio traz muita satisfação, pois o turista tem a oportunidade de conhecer e viver o que bem entender.

Os benefícios de viajar sozinho começam na seleção da data de embarque, já que você pode fazer o seu próprio calendário. Em passeios com mais pessoas, isso fica difícil de ajustar por conta dos compromissos de cada um. Esse fato ajuda até na hora de economizar, porque é possível fazer reservas de voos e hospedagens baratas em períodos de baixa temporada.

Por exemplo: viajar sozinho em novembro é mais barato e fácil do que partir em janeiro ou julho, quando diversas pessoas saem de férias e embarcam em grupos grandes. Já em um mês que muita gente está trabalhando e estudando, o turista encontra maior variedade de assentos e acomodações, o que acaba abaixando os preços.

Faça o seu roteiro

Outra dificuldade quando viajamos com mais pessoas é definir os destinos, atividades e passeios, já que cada indivíduo tem as suas preferências. Enquanto alguns gostam de frequentar museus, teatros e exposições de arte, outros preferem fazer compras ou curtir parques temáticos e praias.

É muito difícil conciliar todas as vontades em uma viagem só. Então, os momentos que eram para ser de relaxamento e diversão podem acabar se tornando um incômodo.

Quando você está sozinho, esse problema não ocorre. O seu roteiro vai seguir exatamente o que a sua vontade mandar. Gostou de um lugar e quer ficar mais? É você quem manda. Quer pular uma cidade e ir direto a um destino dos seus sonhos? A viagem é sua, basta decidir.

Conheça novas amizades

Muita gente tem receio de viajar sozinho porque acredita que pode ser chato ou até perigoso explorar um lugar desconhecido por conta própria. Contudo, quando você desembarcar, vai perceber que existem vários outros viajantes na mesma condição. Então, fica fácil fazer novas amizades, tanto com turistas de toda parte do mundo quanto com os moradores locais.

Uma das maneiras mais comuns de conhecer gente nova durante as viagens é ficar hospedado em um hostel. Esses estabelecimentos têm acomodações coletivas e com preços em conta. Em geral, os hostels oferecem quartos que comportam de duas a 16 pessoas, instaladas em beliches ou camas de solteiro.

Grandes amizades já foram iniciadas em viagens, pois as pessoas gostam de trocar experiências e aproveitar os destinos juntos. Essa também é uma boa oportunidade de treinar outros idiomas e explorar culturas completamente diversas da sua.

Supere os seus limites

Viajar sozinho é uma experiência ótima para o autoconhecimento. Muitas vezes ficamos em uma zona de conforto por pertencer a um grupo, o que costuma nos impedir de tomar decisões diferentes ou nos arriscar em novas oportunidades.

Quando você está por conta própria, tem que encarar sozinho as dificuldades que uma aventura pode impor. A necessidade de interagir com outras pessoas e lidar com situações fora da sua rotina só agrega qualidade à experiência.

A independência conquistada em uma viagem solo faz do turista uma pessoa mais confiante, que pode expandir o seu conhecimento e impulsionar a sua vida além dos limites que nós mesmos estabelecemos de forma equivocada. Surpreenda-se ao superar cada barreira de uma jornada e programe voos mais altos para a sua história.

Quais são as melhores viagens para fazer sozinho?

Uma forma legal de cair na estrada sozinho é conhecer o nosso Brasil. Com extensão territorial continental, o país oferece uma enorme variedade de destinos, como praias, montanhas, selvas, cerrados e algumas das cidades mais modernas e interessantes da América Latina.

Explorar todas as regiões brasileiras revela culturas diferentes, mas cheias de influências que são comuns a todos no país. Faça uma viagem deliciosa pela gastronomia, saboreando os pratos típicos de cada destino que visitar.

Quando você escolhe viajar sozinho pelo Brasil, tem a chance de se aventurar pela exuberante natureza, que apresenta biomas distintos conforme a área visitada. Das matas fechadas às enormes cachoeiras, esse contato com a vida natural renova as energias, coloca a cabeça no lugar e promove momentos marcantes.

Planeje um mochilão

Ao organizar uma aventura solo, a melhor maneira de conhecer muitos locais gastando pouco é fazer um mochilão. Nessa modalidade de viagem, são apenas você e a sua mochila desbravando o mundo. Coloque as coisas mais importantes para passar alguns dias (roupas, calçados, produtos de higiene) e pé na estrada.

Em um mochilão sozinho, a premissa é ficar fora por um período maior, explorando toda cidade ou vila do caminho. O viajante não precisa estipular uma data de chegada e saída de cada lugar. A permanência e as atividades de turismo a serem realizadas dependem apenas da sua vontade.

Gostou de ficar perto da praia de Maceió? Estique a sua estadia sem se preocupar com o roteiro. Claro que é interessante traçar uma ideia de caminho, a fim de otimizar a jornada e não exceder o orçamento disponível para a aventura. No entanto, é ótimo ter a liberdade de decidir quando partir.

Por exemplo: em um mochilão, não vale a pena visitar São Paulo, depois partir para Belém, no Pará, e mais tarde querer conhecer Belo Horizonte, em Minas Gerais. Essa rota tomaria muito tempo do passeio, e as passagens fariam a empreitada ter um custo elevado.

Para um roteiro inteligente, escolha visitar uma região de cada vez, traçando um caminho que avance em um sentido lógico. Vá a Salvador, na Bahia, depois voe até Maceió, em Alagoas e logo em seguida mais ao norte para Fortaleza, no belo estado do Ceará. Além de encurtar as distâncias, os preços dos bilhetes ficam mais em conta.

Durante um mochilão, faz parte da aventura encarar as condições disponíveis por valores acessíveis. Sendo assim, o ideal é se hospedar em um hostel — que, como já contamos, é a opção mais barata de acomodação.

Economizar o seu dinheiro pode fazer a viagem se alongar, tornando a experiência mais intensa e divertida. Antes de embarcar, faça uma organização do seu orçamento. Estabeleça metas diárias de gasto, então divida essa quantia pelos dias que você tem à disposição.

Digamos que você guardou R$ 5 mil e tem 30 dias para rodar pelo Brasil. Descontando os preços de passagens e hospedagens, estipule um valor para usar no dia a dia, com alimentação, passeios, compras e outros gastos.

Um mochilão pode ter a duração de uma semana até vários meses. Tudo depende da disposição do viajante, que pode também deixar a data de retorno em aberto, abrindo a possibilidade de conhecer mais destinos.

Explore a natureza do Brasil

Os destinos naturais dentro do nosso país são excelentes pedidas para viajar sozinho. Existem centenas de opções de passeios em meio à natureza, que podem envolver caminhadas por trilhas que levam a quedas d’água impressionantes — como em Foz do Iguaçu, no Paraná.

Quem visita as imponentes Cataratas do Iguaçu pode alcançar a base das formações a bordo de barcos, chegando a poucos metros do enorme fluxo de água. Também são oferecidos programas mais completos, nos quais os aventureiros podem desafiar as corredeiras do rio Iguaçu de bote, pedalar em meio à Mata Atlântica e toda a sua fauna, bem como sobrevoar de helicóptero essa atração que é considerada uma das 7 Maravilhas da Natureza.

Curta o litoral do Nordeste

Outro destino ideal para quem quer aproveitar a natureza é o litoral do Nordeste. Entre as praias urbanas mais bonitas do Brasil, também dá para esticar a viagem e conhecer locais isolados, como a paradisíaca Jijoca de Jericoacoara, a cerca de 280 quilômetros de Fortaleza (CE).

Essa área de vida natural intensa reserva praias inesquecíveis, com águas transparentes, ótimas para praticar mergulho. Poucas experiências são tão marcantes quanto apreciar as centenas de peixes multicoloridos, além de outros animais exóticos e a vegetação marinha surpreendente.

Um dos pontos turísticos mais conhecidos é a Pedra Furada, uma formação rochosa que parece um arco com um furo no meio. Nesse local é possível tirar ótimas fotografias para guardar para sempre.

A região está dentro do Parque Nacional de Jericoacoara, uma enorme área de proteção ambiental. Então, os serviços de turismo são restritos, com cobrança para a entrada e normas rígidas de preservação da natureza.

Ainda no litoral do Nordeste, a encantadora Natal (RN) tem praias com dunas enormes, ideais para passeios de buggy e prática de sandboard, esporte no qual o aventureiro “surfa” pelos morros de areia em uma prancha. O vento constante no Rio Grande do Norte proporciona o cenário perfeito para atividades como o windsurf, o kitesurf e navegação à vela.

Ao sul da capital do Estado, seguindo 80 quilômetros, fica a linda Praia de Pipa, uma pequena vila com uma orla paradisíaca. Curta dias agradáveis em meio às falésias, que são formações rochosas à beira-mar, enquanto aproveita as águas quentes do Oceano Atlântico.

Um dos pontos mais procurados pelos visitantes é a Praia do Amor, que tem o formato de um coração. Outro local que não pode faltar no seu roteiro é o Chapadão, uma enorme falésia que proporciona uma vista incrível da região, além de ser ideal para observar o pôr do sol.

À noite, aproveite a vida boêmia de Pipa, que tem diversos bares e restaurantes bem gostosos. Neles, são servidos pratos de cozinhas de todo o mundo, como a espanhola, a japonesa, a italiana e, claro, a brasileira.

Entre em um retiro espiritual

Quando está sozinho, o turista pode escolher passar um tempo de relaxamento e meditação. Existem muitos destinos no Brasil que oferecem períodos em retiro espiritual, nos quais os viajantes se dedicam à contemplação da natureza e a seguir hábitos saudáveis, como boas noites de sono, excelente alimentação e práticas esportivas.

As cidades em meio às montanhas da Serra da Mantiqueira, na divisa entre São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, dispõem de pousadas especializadas em fazer os seus hóspedes se desligarem da vida cotidiana. Aproveite os instantes de paz e silêncio para organizar as ideias, solucionar conflitos e criar soluções para a sua vida.

Esses estabelecimentos são inspirados em diferentes culturas e ritos (budistas, cristãos, espíritas, veganos, naturalistas, entre outros). Procure um retiro que se encaixa no seu perfil e passe bons momentos de calma, meditação e paz interior.

Visite as maiores cidades do país

Quem vai viajar sozinho pode vistar as grandes cidades do Brasil. Existem metrópoles modernas e cheias de atrações em todas as regiões do país, cada uma com as suas particularidades, diferentes influências na formação da cultura local, além de muitas atividades culturais e de lazer.

Em São Paulo, por exemplo, o turista tem a oportunidade de conhecer a maior cidade da América Latina, que oferece uma diversidade incrível de espaços culturais, como museus, galeiras de arte, casas de shows, cinemas e teatros. A cidade que nunca para tem uma grande atração esperando por você em qualquer dia da semana, durante o ano todo.

Apesar de ser vista como uma “selva de pedra”, o viajante vai se surpreender com a grande quantidade de áreas verdes, que são procuradas para passeios pela natureza, para praticar atividades físicas ou apenas para se sentar na grama e curtir o sol.

Um parque que vale a visita é o Villa-Lobos, na zona oeste de SP, um oásis muito arborizado no meio da cidade. É possível alugar bicicletas e patins para passear na excelente ciclofaixa, que cobre todo o parque. Também existem dezenas de quadras poliesportivas, campos de futebol, áreas com brinquedos exclusivos para crianças, locais de piquenique, um orquidário e uma maravilhosa biblioteca, considerada uma das melhores do Brasil.

Na capital paulista, uma das melhores atrações, sem dúvida, é a gastronomia. A cidade conta com milhares de restaurantes e bares, que servem pratos da culinária de todos os cantos da Terra. Das tradicionais culinárias italiana e japonesa, passando pela árabe até as mais exóticas, como as cozinhas coreana e a mongol.

Já no encantador Rio de Janeiro, o turista pode aproveitar as belezas naturais da Cidade Maravilhosa, que tem muita tradição e altos padrões de excelência na arte de recepcionar os visitantes.

Vale a pena passar o dia esticado nas areias das praias de Ipanema, do Leblon e da icônica Copacabana, todas na Zona Sul. Existe a possibilidade de fazer um roteiro misto, aproveitando a fantástica orla do Rio, mas também as inúmeras atrações culturais e de contato com a natureza.

Inaugurado antes da Olimpíada de 2016, o Museu do Amanhã se tornou um dos pontos preferidos dos turistas. Localizado na revitalizada Zona Portuária do Rio de Janeiro, a instituição conta com um ótimo acervo digital e interativo, que tem a proposta de discutir o modo como vivemos em sociedade e pensar em soluções para o futuro.

Dois passeios que não podem faltar são subir nos morros do Corcovado, onde está o Cristo Redentor, e no Pão de Açúcar, que tem acesso por meio de um bondinho. Em ambas as atrações, o visitante é agraciado com uma vista espetacular da antiga capital do Brasil.

A vida boêmia carioca é uma das mais famosas do mundo, com muitas opções de entretenimento para todos os gostos. No bairro da Lapa, na região central da cidade, os viajantes encontram centenas de bares, restaurantes, baladas e casas de shows, que promovem uma agitada programação cultural.

Como aproveitar ao máximo o tempo sozinho?

Durante as nossas rotinas, sempre estamos cercados de muitas pessoas, tornando difícil reservar um período só para você. Quando o viajante escolhe fazer uma aventura sozinho, pode também aproveitar esse tempo para se conhecer melhor, superar dificuldades e até para projetar novos caminhos na vida profissional e pessoal.

Quando estamos a sós, fica mais fácil interagir com desconhecidos, gerando oportunidades incríveis para fazer amizades. Abra a cabeça para novas culturas e as mais diferentes maneiras de encarar uma mesma realidade.

Para se locomover nos destinos, procure usar o transporte público. Andar em meio aos locais revela situações enriquecedoras e experiências que ficam guardadas para sempre. Fique em silêncio e repare as miudezas das pessoas, dos prédios, do céu e da natureza. Contemple, inspire e respire o prazer de viajar sozinho.

Escolha as atividades que mais agradam ao seu gosto. Gaste horas conhecendo um único ponto turístico, caminhando sem pressa para explorar cada detalhe escondido. Faça da viagem um roteiro personalizado e com a sua cara, que trará satisfação em todo passo da jornada.

Como se preparar para imprevistos durante a viagem?

Toda viagem, mesmo que organizada em detalhes, pode apresentar situações inesperadas. Desde o embarque até a visita aos pontos turísticos, muita coisa pode dar errado.

No entanto, basta ter bastante atenção a alguns itens simples, que podem salvar o seu passeio. Veja alguns imprevistos que podem ocorrer quando você escolhe viajar sozinho!

Leve os documentos

Quando um turista vai embarcar em um voo nacional, é obrigatória a apresentação de um documento recente com foto. A falta de comprovação de identidade impossibilita a viagem.

As autoridades aceitam como documento o RG, a Carteira de Habilitação, uma Carteira Funcional ou um passaporte.

Uma boa dica é digitalizar ou fotografar os documentos com o celular. Essa versão digital pode ser útil caso você perca os originais.

Faça o check-in antecipado

Quando você tem uma viagem marcada, faça o check-in pela internet dois ou três dias antes do embarque. É possível confirmar a rota e marcar o assento de sua preferência.

Fique de olho no excesso de bagagem

Em viagens nacionais, existe um limite de 23 quilos para as bagagens despachadas. Caso o peso ultrapasse esse número, o passageiro tem que pagar pelo excesso de bagagem, que pode custar bem caro.

Aproveite o espaço na mala de mão, que pode conter até 10 quilos e ser carregada na cabine do avião sem custos. E lembre-se quanto mais coisas um viajante levar, mais peso tem para carregar sozinho. Considere isso e organize uma mala bem compacta.

Tenha cuidado com o dinheiro

Em uma viagem, é bom ter uma boa quantia em dinheiro para pagar as despesas. Contudo, o indicado é sempre dividir o seu orçamento, mantendo um pouco dos valores em cada lugar.

Por segurança, carregue um valor médio, deixando o restante na conta do banco e para o uso do cartão de crédito. Caso você perca uma parte, ainda terá outros meios de conseguir recursos quando estiver longe de casa.

Curta atividades com grupos

Apesar de a viagem ser solo, isso não significa que o turista deve fazer tudo sozinho. Dependendo da atividade, como explorações na natureza e lugares mais remotos, o indicado é realizar o passeio com um grupo.

É comum que as empresas de serviços de turismo juntem diversos viajantes em um mesmo passeio. Isso traz segurança e a possibilidade de conhecer gente nova.

Pronto para viajar sozinho? Você percebeu como é fácil embarcar em uma aventura de autoconhecimento, busca pela independência e muita diversão?

Ficou com alguma dúvida? Deixe o seu comentário neste post! O nosso time terá prazer em ajudar você a realizar a melhor viagem da sua vida.

Dicas de Viagem

7 dicas para controlar o medo de avião

1 de fevereiro de 2019 0 comentário

O medo de avião é uma situação comum a muitos passageiros, e até os viajantes mais frequentes podem enfrentar um certo receio durante o trajeto. Você também passa por isso?

O transporte aéreo é essencial para quem deseja visitar destinos mais distantes. Sendo assim, para conseguir viajar a trabalho, nas férias ou na próxima folga é preciso vencer — ou controlar — esse medo.

A princípio a situação pode parecer um pouco complicada, mas ao seguir alguns procedimentos é possível viajar com tranquilidade. Quer saber como fazer isso? Continue a leitura e veja as dicas que separamos sobre o assunto!

1. Entenda o seu medo

O primeiro passo é procurar entender os motivos de seu medo de avião. Dessa forma, você poderá buscar informações e tomar providências para controlar esse sintoma.

Algumas pessoas se sentem desconfortáveis devido à altura. Nesse caso, evitar sentar na janela ou mantê-la fechada podem ser boas alternativas para ter um voo tranquilo.

Outro fator que geralmente causa bastante medo são as turbulências. Embora seja um pouco desconfortável, a situação é normal e momentânea. Ela acontece devido às mudanças na velocidade do ar, temperatura e pressão. Contudo, se você seguir as orientações da equipe de bordo e estiver com o cinto afivelado, não há motivo para temer.

2. Saiba que o avião é um meio de transporte seguro

Entender o seu medo e conhecer o funcionamento do avião são atitudes para controlar a ansiedade pré-voo. O avião é um dos meios de transporte mais seguros do mundo — só perde para o elevador! Ou seja, viajar de avião é muito melhor do que andar de carro, ônibus, bicicleta ou moto, por exemplo.

Além disso, o setor de aviação é bastante regulado e conta com inúmeros procedimentos de segurança para garantir a integridade dos passageiros. A aeronave passa por manutenções e avaliações frequentes e só decola se estiver em plenas condições de funcionamento.

Pilotos, copilotos, comissários de bordo, mecânicos e outros profissionais que trabalham com o avião realizam treinamentos intensos antes de executarem suas funções. Por isso, fique tranquilo! A tripulação está capacitada para comandar a aeronave e minimizar qualquer imprevisto.

Outro ponto importante é que os pilotos contam com o apoio dos controladores de tráfego aéreo. Eles acompanham o fluxo dos aviões próximos ao aeroporto, a rota e o momento do pouso e da decolagem.

3. Comece com voos mais curtos

Se você tem medo de avião e nunca andou em um, a sugestão é começar com trajetos curtos. Dessa forma, você poderá se acostumar com a aeronave e terá mais tranquilidade nos próximos voos.

É possível visitar algumas cidades do país em cerca de 1 hora de viagem. Os trechos entre São Paulo e Rio de Janeiro e São Paulo e Curitiba são exemplos disso. Já uma viagem para destinos do Nordeste pode ter mais de 3 horas de duração dependendo das cidades de embarque e desembarque.

Se você deseja conhecer locais mais distantes precisará lidar com o medo. Afinal, esse sintoma não pode ser um empecilho para a realização de um sonho, não é mesmo? A dica nesse caso é focar os seus pensamentos nos momentos prazerosos que vivenciará no destino.

4. Procure se distrair durante o voo para perder o medo de avião

Outra recomendação para controlar o medo de avião é ter itens de entretenimento durante o voo. Ler um livro, ouvir suas músicas prediletas, ver filmes ou conversar com alguém será positivo para que você não fique pensando que algo ruim pode acontecer. Além disso, essa atitude minimiza os sons da aeronave que costumam causar um certo receio em algumas pessoas.

Contar com uma companhia aérea que tenha um bom entretenimento de bordo também é vantajoso. Muitas aeronaves têm revistas e telas individuais com uma programação extensa de filmes e séries para variadas idades, além de músicas e jogos.

5. Faça exercícios de respiração

Durante o momento de ansiedade, a respiração pode ficar acelerada. A dica é tentar mantê-la sob controle.

Tente inspirar por 4 segundos, segure a respiração pelo mesmo período e expire também em 4 segundos. Esse processo fornecerá mais tranquilidade para situações que geram tensão, como o pouso e a decolagem.

Uma alternativa é fazer meditação durante o voo. A prática consiste em focar a atenção em momentos do presente ou situações positivas, e pode ajudar a controlar a respiração e a reduzir o medo de avião. Há aplicativos que fornecem músicas relaxantes e áudios que guiam o usuário durante a meditação.

6. Mantenha-se confortável durante o voo

Você pode tomar algumas atitudes para que o período dentro da aeronave seja mais confortável. Por exemplo, se você tem medo de altura ou sente um grande incômodo em locais apertados, procure escolher o assento do corredor. Assim, você ficará distante da janela e livre para sair quando precisar.

Não tome remédios sem indicação médica e evite consumir bebidas alcoólicas para controlar a ansiedade durante o voo. O consumo desses itens pode causar enjoo e mal-estar.

A escolha da roupa é mais um fator relevante. Dê preferência a peças confortáveis e leve uma blusa de frio na bagagem de mão para amenizar a temperatura da aeronave.

Chegar cedo ao aeroporto é outra atitude positiva para aumentar a tranquilidade na viagem. Dessa forma, você poderá despachar as malas e passar pelos procedimentos de segurança sem pressa.

7. Procure ajuda profissional

Algumas pessoas têm uma fobia grave, com reações físicas e emocionais — como dor, tremores e dificuldade de respiração. Nesses casos, as estratégias listadas acima podem não ser suficientes para controlar o medo a bordo, e será necessário procurar a ajuda de um profissional. Sessões com psicólogo ou terapeuta, por exemplo, costumam ajudar a minimizar o problema.

Controlar o medo de avião pode não ser uma tarefa tão simples, mas o processo se torna mais fácil a cada viagem. Ao seguir as sugestões acima, você terá um voo tranquilo e poderá aproveitar melhor o passeio.

Gostou das dicas? Conhece alguém que também tem medo de avião? Então, compartilhe o texto em suas redes sociais para que os seus amigos saibam como lidar melhor com essa situação!

Você está em busca de viagens para fazer sozinho? Poucas experiências na vida se comparam a um passeio na própria companhia, ainda mais tendo a chance de conhecer um destino novo!

Uma viagem solo é positiva em inúmeros aspectos. O principal deles é a flexibilidade para decidir o destino, a programação do dia, a escolha dos passeios etc., mas, além disso, essa também é uma oportunidade de fortalecer seu autoconhecimento e a independência. Quer saber mais sobre o assunto? Então, acompanhe o post e saiba por que você deveria começar a planejar uma viagem nesse estilo hoje mesmo!

Motivos para fazer uma viagem sozinho

1. Flexibilidade para escolher a data e o destino

Conciliar a data da viagem e os interesses com amigos, familiares ou namorada(o) pode ser uma tarefa complicada. Devido ao trabalho, compromissos escolares e outras responsabilidades de cada integrante do grupo, a data e a duração da viagem podem ficar comprometidas. Sendo assim, ao viajar em sua própria companhia, você não precisará enfrentar esse problema.

Outra vantagem é quanto à definição do destino. Quer viajar para um local com clima mais frio? Quer fazer um mochilão para várias cidades? Sem problemas! Reserve a passagem aérea e a hospedagem, prepare a bagagem e aproveite o passeio. Viajar sozinho proporciona maior liberdade para essas escolhas.

2. Autoconhecimento

Outro bom motivo para optar por viagens para fazer sozinho é a possibilidade de aprofundar o autoconhecimento.

Algumas pessoas têm dificuldade de entender quais são seus gostos, interesses, objetivos, sonhos etc. Muitas vezes, isso acontece porque, com a rotina corrida, elas não reservam um tempo para se conhecer profundamente. Por outro lado, ao viajar em sua própria companhia, esses momentos se tornam mais frequentes e você conseguirá identificar os seus limites, as suas habilidades, entre outras características.

Dessa forma, é comum que, durante a experiência, o viajante descubra novas características, como a habilidade para lidar com problemas, socialização e criatividade.

3. Imersão na cultura local

Quando você viaja sozinho, tende a observar mais o dia a dia dos moradores, o que é positivo para absorver a cultura do lugar. Essa experiência é enriquecedora, pois possibilita vivenciar outros estilos de vida, conhecer novos costumes, lidar com preconceitos e abrir a mente para novas situações.

E engana-se quem pensa que essas experiências só acontecem em países com idiomas diferentes do nosso. O Brasil é bastante extenso e tem uma grande diversidade cultural, o que faz com que alguns hábitos e costumes da população do Sudeste, por exemplo, sejam diferentes dos encontrados no Sul e Nordeste.

4. Reflexão sobre a vida

Essa também é uma grande oportunidade para refletir sobre a vida. Ouvir o barulho do mar ou contemplar a natureza em um mirante, enquanto pensa sobre o passado, o presente e o futuro, é uma experiência bastante profunda e especial. Ao voltar da viagem, provavelmente, você terá ainda mais ânimo para enfrentar a rotina.

5. Independência

Escolher o destino e a data da viagem, fazer a programação do roteiro, comprar a própria comida ou ir a restaurantes sozinho são atividades comuns de quem faz uma viagem nesse estilo. A experiência proporciona uma maior independência, já que você terá que lidar com imprevistos e questões financeiras, escolher os melhores trajetos, entre outras situações.

6. Solitude

A viagem sozinho não deve ser vista como uma forma de solidão, e sim de solitude. É comum haver uma confusão entre esses dois termos, mas, enquanto o primeiro diz respeito ao isolamento dos outros e de si mesmo, o segundo está relacionado com o pleno contato interior — a solitude traz sentimentos de paz e de felicidade em estar na própria companhia.

Contudo, se você deseja conviver com outras pessoas, essa também é uma ótima oportunidade para fazer novas amizades, conhecer novas culturas, entre outras experiências.

7. Renovação das energias

Sair da rotina e conhecer um novo local é sempre positivo para aumentar a sensação de bem-estar e renovar as energias, por isso, é importante reservar algumas semanas do ano para um período de férias.

Além dos dias de descanso, como falamos anteriormente, viajar sozinho proporciona autoconhecimento, reflexão sobre a vida, entre outros benefícios, e todos esses fatores são positivos para renovar as energias e para a evolução pessoal.

Inspirações para uma viagem solo

Quer inspirações para tomar coragem e fazer uma viagem solo? O mundo literário e cinematográfico é grande fonte de inspirações e, muitas vezes, demonstra histórias reais de quem viveu essa experiência.

O livro “Livre”, de Cheryl Strayed, que foi adaptado para o cinema, é baseado na história real da autora e mostra a sua viagem sozinha ao percorrer uma trilha de mais de mil e setecentos quilômetros, indo da fronteira dos EUA com o México até a fronteira com o Canadá. Durante a viagem, a personagem enfrenta medos e obstáculos e faz reflexões sobre a vida.

O filme “Na Natureza Selvagem”, escrito e dirigido por Sean Penn e adaptado do livro de Jon Krakauer, foi baseado nas viagens de Christopher McCandless pela América do Norte.

“Um lugar na janela”, de Martha Medeiros, mostra um pouco da experiência e os perrengues por que autora passou em viagens pelo Brasil e no exterior. Alguns relatos incluem viagens solo e outros com amigos e em família.

Destinos de viagem para fazer sozinho

Agora que você já sabe os motivos para fazer viagens sozinho, que tal conferir bons destinos brasileiros para isso? Veja abaixo algumas sugestões!

  • Florianópolis: se a ideia for visitar um destino de praia e apreciar belas paisagens, a capital de Santa Catarina pode ser uma boa opção;

     

  • Paraty: localizado no estado do Rio de Janeiro, esse é outro bom destino para uma viagem individual. Além de aproveitar as praias, você pode passear pelo centro histórico.

     

  • Curitiba: a cidade é um bom local para conhecer sozinho ou acompanhado. Ela tem opções de atividades culturais, parques, cafés, restaurantes, entre outros atrativos.

     

  • Praia da Pipa: a 80 km de Natal, esse é mais um lugar para curtir dias de lazer e descanso em belas praias. Além disso, no centro de Pipa, você encontrará opções de restaurantes e bares para aproveitar a noite.

     

E então, gostou de conhecer os motivos e destinos de viagens para fazer sozinho? É ótimo viajar com amigos e familiares, mas um passeio nesse estilo agrega uma experiência enriquecedora, além disso, você não precisará mais se preocupar se não tiver companhia para as próximas férias.

Você já fez uma viagem solo? O que achou da experiência? Escreva nos comentários!

Assim como acontece com o trânsito de carros, caminhões, ônibus e outros veículos, o tráfego aéreo também tem suas regras de circulação. Essas normas são determinadas pela ANAC, que também regulamenta os direitos e deveres de toda a tripulação presente nas aeronaves.

Qualquer pessoa a bordo de um avião que não esteja ciente dessas regras pode colocar em risco a segurança e a qualidade da viagem de todos os outros passageiros. Por isso, existem certas normas de conduta a se adotar em uma viagem de avião, embora muita gente não saiba ao certo quais atitudes não são permitidas.

Neste post você vai entender melhor o que é proibido no avião, além de descobrir o que pode ser feito para ter uma viagem mais agradável e tranquila. Confira abaixo algumas atitudes que devem ser evitadas na hora de viajar.

1. Fumar

Muitas pessoas já sabem disso, mas não custa reforçar (já que esta é a razão da maioria das violações de conduta a bordo, de acordo com o Instituto Nacional de Aviação Civil). Fumar é proibido no avião, não importa a duração do voo. A regra também é válida para cigarros eletrônicos e outros não derivados do tabaco.

O passageiro que desrespeitar essa proibição está sujeito a punições que variam desde o recebimento de uma advertência até a obrigação de desembarcar do avião e se dirigir à delegacia do aeroporto. Não adianta tentar se esconder no banheiro: manipular ou tentar impedir a sensibilidade dos detectores de fumaça é proibido por lei.

2. Trocar de assentos

Qual passageiro nunca se sentiu insatisfeito com o assento que lhe foi designado a bordo? Nessas horas, é tentador procurar outros espaços vazios e trocar de lugar. Mas a verdade é que existem regras para isso.

Em algumas situações, a troca de lugares é proibida porque há assentos especiais, que exigem pagamento adicional ou pertencem a uma classe superior. Por isso, caso você não esteja confortável no seu lugar, é fundamental pedir a autorização prévia do comissário de bordo para efetuar a troca. Lembrando que essa solicitação não pode ser feita antes de a porta da aeronave ser fechada.

3. Ser desrespeitoso

Passageiros mal-educados ou que se recusam a obedecer às orientações dos comissários de bordo podem ser convidados a se retirar do avião. O mesmo vale se o embarcado adotar uma postura inadequada ou receber reclamações de comportamento por parte de outros passageiros.

A possibilidade de retirar um passageiro da aeronave está, inclusive, prevista nas diretrizes de transporte das companhias aéreas, que inclui termos aceitos pelos passageiros ao comprar as passagens. O artigo 168 do Código Brasileiro de Aeronáutica também regulamenta o desembarque de quem comprometer a ordem ou a segurança das pessoas e bens que estão a bordo.

Sendo assim, é importante ser cordial com os funcionários que trabalham na companhia aérea e também com os demais passageiros. Por compartilharem um ambiente pequeno, é fundamental que você respeite os espaços alheios e tenha empatia com quem está sentado ao seu lado.

Não apoie os pés na poltrona da frente, durma sem ocupar o espaço do passageiro ao seu lado e mantenha o assento na posição vertical enquanto a refeição for servida. Essas são algumas maneiras de evitar reclamações a seu respeito e ser gentil com seus companheiros de viagem. Afinal, nada melhor do que tratar os outros da mesma forma como você gostaria de ser tratado, certo?

4. Dividir o cinto de segurança

Em hipótese alguma compartilhe um único cinto de segurança com outra pessoa. Caso esteja acompanhado de bebês e não haja cinto infantil na aeronave, informe os comissários de bordo e opte por colocar o cinto apenas em si mesmo, enquanto abraça a criança.

Isso é importante porque, em caso de turbulências fortes ou freadas bruscas, a pessoa de menor estatura que estiver “dentro” do cinto com você pode sofrer graves traumas abdominais e até fraturas pelo corpo.

5. Abusar do álcool (ou qualquer outra droga)

Ingerir bebidas alcoólicas não é proibido no avião (inclusive, algumas bebidas como vinho e cerveja podem fazer parte do serviço de bordo e ser oferecidas como cortesia). No entanto, é preciso ter bastante moderação para não incomodar os demais passageiros ou colocar a segurança da viagem em risco por conta da imprudência causada pela embriaguez.

Companhias aéreas podem impedir o embarque e até imobilizar os passageiros sob efeito de álcool ou outras drogas. Se ele resistir, o caso pode parar na Polícia Federal. Por isso, é melhor tomar apenas uma dose ou guardar suas bebidas para consumo em terra firme.

6. Reclinar o assento antes da decolagem

Em cada pouso ou decolagem, é preciso que o encosto do assento permaneça na posição vertical e que as mesinhas (encontradas na parte traseira de cada poltrona) estejam fechadas. Pode parecer bobagem, mas essas práticas fazem parte de normas internacionais de segurança, e são importantes porque facilitam a evacuação rápida do avião em caso de emergência.

Além disso, por mais incômodo que seja atrapalhar seu descanso na hora da aterrissagem, é preciso que todos permaneçam sentados nesse momento. A concentração do peso do corpo em cima das colunas de fixação das poltronas também é essencial para prevenir impactos no caso de uma freada brusca.

7. Desrespeitar o sinal de afivelamento dos cintos

Muitos tipos de turbulências são imprevisíveis, e algumas delas podem resultar em ferimentos para os passageiros que não estiverem com os cintos afivelados. Por isso, o ideal é retirá-los apenas quando você precisar ir ao banheiro.

Quando o sinal de alerta dos cintos estiver aceso, os comissários são proibidos de atender às solicitações em nome da sua segurança. Por isso, seja prudente e não se levante até que o sinal tenha se apagado. Pode não ser nada, mas também existe a possibilidade de um forte tremor ou uma manobra brusca lesionarem seu corpo.

Uma dica: caso deseje vestir o casaco ou utilizar o cobertor, prefira afivelar o cinto por cima da camada extra de tecido, para que ele fique visível. Do contrário, algum comissário de bordo preocupado com sua segurança pode interromper seu cochilo para verificar se você realmente está usando o cinto afivelado.

8. Usar a internet do telefone

Antigamente, era comum receber a solicitação de manter os celulares desligados durante todo o voo. No entanto, algumas recomendações baseadas em estudos da FAA (Federal Aviation Administration) permitem que os aparelhos permaneçam ligados durante a viagem, desde que estejam em “modo avião”.

Usar o 3G ou 4G do telefone ainda é proibido a bordo porque o sinal da internet pode causar interferências eletromagnéticas no sistema da aeronave, impedindo a sua comunicação com a torre.

o que fazer dentro do aviao

Agora que você já sabe o que é proibido no avião, basta seguir essas simples normas para evitar transtornos e garantir sua segurança. Em caso de dúvidas, não hesite em conversar com o comissário de bordo. Ele terá prazer em ajudar!

Se você gostou deste post, que tal compartilhar com seus amigos? Assim eles também ficam por dentro das boas práticas em voos!

Se você pretende passar alguns dias fora do Brasil, precisa conhecer a importância da vacina para viagem internacional a fim de evitar imprevistos durante o passeio.

As vacinas são uma forma de prevenção para diversas doenças, e alguns países exigem o comprovante delas. Por isso, dependendo do destino da viagem, será imprescindível providenciar o documento.

Quer entender melhor o assunto e descobrir se você deve tomar vacina para viagem internacional? Acompanhe o texto e saiba mais!

Vacinas obrigatórias e recomendadas

Hoje em dia, a única vacina obrigatória é a da febre amarela. Muitos países exigem comprovante de vacinação para quem embarca em áreas consideradas de risco, ou para quem pretende visitar essas regiões. Esse documento é conhecido como Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP).

A febre amarela é uma doença infecciosa viral que pode causar graves problemas de saúde. Ela é transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti e está presente em zonas tropicais da América Central e do Sul e na África. A vacinação é essencial para evitar que ela se espalhe por outros países.

Como o Brasil teve casos da doença nos últimos anos, alguns brasileiros ficam na dúvida se é necessário apresentar o comprovante da vacina em qualquer viagem internacional. Contudo, é importante saber que muitos locais não exigem o certificado de vacinação de turistas brasileiros, a exemplo de EUA, Chile e países da Europa.

Entretanto, durante os preparativos da viagem, não deixe de consultar o site da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ou da embaixada do destino. Confira as informações atualizadas, já que pode haver alteração nas regras em casos de surto da doença.

Além disso, lembre-se de que os órgãos de saúde aconselham que todos os moradores do território nacional sejam imunizados contra a febre amarela, desde que não estejam no grupo de contraindicação. A medida é preventiva e visa impedir o avanço da doença.

Em relação à imunização não obrigatória, a Anvisa recomenda que os turistas estejam com a carteira de vacinação em dia, incluindo proteção para Tétano e Difteria, Hepatites A e B e Sarampo, Caxumba e Rubéola (Tríplice Viral).

Essas vacinas são indicadas para evitar problemas de saúde durante e após a viagem, especialmente para quem visitará regiões rurais, terá grande contato com a natureza ou fará passeios ao redor do mundo.

Como obter o certificado de vacina para viagem internacional

Como falamos acima, o documento que comprova a imunização é conhecido como CIVP. Ele é emitido gratuitamente pelo governo. Veja abaixo quais são os principais passos para solicitá-lo.

Veja se o destino exige o comprovante de vacinação

O primeiro passo é descobrir se o destino pede algum tipo de vacina para viagem internacional. Você pode conferir essa informação no site da Anvisa ou com a companhia aérea.

Atualmente, o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia é obrigatório em mais de 130 países, como acontece, por exemplo, na Colômbia. Sendo assim, em uma viagem para Bogotá você deverá apresentá-lo.

Tome a vacina

Antes de solicitar o certificado é necessário tomar a vacina exigida pelo país. No caso da febre amarela, isso deve acontecer com no mínimo dez dias antes do embarque, que é o período para que o organismo produza anticorpos.

A imunização pode ser feita em postos de saúde ou clínicas particulares. No entanto, é essencial esclarecer que as vacinas fracionadas — que foram aplicadas em algumas regiões para conter a expansão da doença — não permitem a obtenção do certificado. Para isso, é preciso tomar a dose padrão, que oferece proteção para a vida toda.

Cadastre-se no site da Anvisa

Para facilitar o processo, a Anvisa recomenda que os turistas façam um pré-cadastro e realizem o agendamento online antes de comparecer nos postos emissores do CIVP — que podem ser centros de orientação a viajantes em aeroportos, unidades básicas de saúde, entre outros locais.

Caso haja urgência para a viagem, é possível entrar em contato com o posto de emissão mais próximo e se informar sobre o atendimento sem necessidade de agendamento.

Compareça ao local de emissão do certificado

Após realizar o agendamento, você deve comparecer ao local escolhido. O processo é feito pessoalmente, com exceção de crianças e menores de 18 anos, que podem ser representados pelos pais.

Se você for realizar um passeio em família com crianças pequenas, vale lembrar que bebês a partir de 9 meses também precisam do certificado de vacina para viagem internacional.

Para obter o CIVP, será preciso levar a carteira de vacinação com o comprovante da imunização e um documento de identidade original com foto (ou certidão de nascimento no caso de crianças pequenas). Além disso, os órgãos de emissão podem solicitar um comprovante de viagem ao país que exige a imunização, como reserva de passagem ou outro item que confirme a ida ao exterior.

Após receber o certificado, guarde-o junto com outras documentações da viagem, pois será necessário apresentá-lo no momento do check-in.

Como proceder caso você não possa tomar a vacina contra a febre amarela

A vacina da febre amarela é bastante segura. Entretanto, ela não é indicada para pessoas que apresentam alergia ao ovo ou que estejam com sistema imunológico debilitado. Entre os grupos de contraindicação, estão:

  • pessoas com reação alérgica grave ao ovo;
  • bebês de até 6 meses;
  • pacientes em tratamento de quimioterapia;
  • portadores de doenças autoimune;
  • pacientes que utilizam medicações antimetabólicas ou medicamentos modificadores do curso da doença.

Além desse grupo, idosos acima de 60 anos, gestantes ou lactantes e bebês entre 6 e 9 meses também só devem ser imunizados com indicação médica.

Caso você ou algum familiar tenha alguma das características acima e o médico mantenha a contraindicação para o procedimento, será necessário solicitar um atestado de isenção de vacinação em inglês ou francês. No site da Anvisa há um modelo para isso.

Se você está programando as próximas férias ou feriado no exterior, não se esqueça de conferir se há necessidade de vacina para viagem internacional. Além de ser requisito obrigatório para ingressar em alguns países, esse procedimento tornará o seu passeio mais tranquilo e seguro.

Gostou do texto? Quer receber outras dicas sobre organização de viagem? Então, siga a Avianca nas redes sociais e acompanhe as próximas publicações. Nós estamos no Facebook, Instagram, Twitter, LinkedInYouTube!

Se tem uma data que todo brasileiro espera ansiosamente para chegar é o Carnaval. A maior festa do calendário do país agita foliões em cidades como Rio de Janeiro, Salvador e Recife, deixando saudade no coração de quem aproveita bastante os 4 dias de festa. Mas você sabia que o Carnaval em Belo Horizonte também é um dos mais procurados do Brasil?

Segundo dados da Prefeitura de Belo Horizonte, 3,8 milhões de pessoas participaram dos festejos da capital mineira em 2018, e a expectativa é de que em 2019 esse número aumente em 20%.

Está curioso para saber mais sobre o Carnaval em Belo Horizonte e ficar por dentro de quais são os maiores blocos? Então, continue a leitura!

Como começou o Carnaval em Belo Horizonte

Muita gente não sabe, mas o Carnaval em Belo Horizonte teve início em 1940, com blocos caricatos e escolas de samba. No entanto, o primeiro desfile aconteceu apenas em 1990, na Avenida Afonso Pena, e a folia se restringiu a apenas essa apresentação por bastante tempo.

Felizmente, quem era de BH e região não ficava sem cair na folia. Afinal, as cidades históricas de Ouro Preto, Mariana, Diamantina, Sabará, entre outras, sempre receberam turistas de todas as partes do Brasil para curtir muito ao som dos blocos e aproveitar as centenas de festas realizadas nas repúblicas.

Em 2010, um Decreto do então Prefeito de Belo Horizonte proibiu a realização de determinados eventos em praças da capital. E esse foi o marco para que o Carnaval de Belô começasse a ganhar destaque nacional.

A população contrária à ideia se organizou, dando origem ao movimento Praia da Estação. Centenas de pessoas passaram a ocupar a principal praça da cidade nas tardes de sábado para se divertir em trajes de banho junto a um caminhão-pipa comandado por um Chapolin Colorado.

A partir daí, músicos e outros artistas da capital se uniram e iniciaram a ocupação do espaço público por meio de um autêntico carnaval de rua. Quase 9 anos depois, já são 400 blocos registrados na cidade e a folia aumenta a cada ano.

Principais blocos do Carnaval de BH

O grande diferencial do Carnaval de Belo Horizonte é a imensa variedade de blocos e a ocupação das ruas nos quatro cantos da cidade. Isso sem contar as elaboradas fantasias e o clima de muita diversão.

A seguir, listamos os maiores blocos da cidade para que você já comece a montar o seu roteiro!

Chama o Síndico

Se você curte MPB, mas não quer deixar de aproveitar o Carnaval, esse bloco é perfeito para você. Isso porque o Chama o Síndico arrasta multidões ao som de músicas de Tim Maia e Jorge Ben Jor. Claro, sempre com muita batucada.

O bloco faz parte da agenda de pré-carnaval, já que vai às ruas na semana que antecede os dias oficiais da folia, sempre no período da noite. O trajeto geralmente é pela Afonso Pena, no centro da capital. Em 2018, cerca de 60 mil pessoas foram atrás do bloco.

Baianas Ozadas

Em qualquer Carnaval não pode faltar axé! E é por isso que o Baianas Ozadas hoje é o maior bloco da cidade.

Em 2018, estima-se que 500 mil pessoas em trajes brancos tenham acompanhado o bloco na manhã da segunda-feira de Carnaval e prestigiado a lavagem da escadaria da Igreja São José, no centro da capital. Essa é uma forma de homenagear o ritual das tradicionais baianas na Igreja do Senhor do Bonfim, em Salvador.

Então, Brilha!

Esse bloco tem a inclusão das pessoas marginalizadas como marca principal. A saída acontece no sábado de Carnaval bem cedo, antes das 7h da manhã, e o principal lema é brilhar!

Então, não deixe de pular da cama e caprichar no glitter e nos acessórios nos tons de rosa e dourado. Em 2018, 125 mil pessoas acompanharam o trilho elétrico ao som do mais tradicional axé dos anos 1990.

Pena de Pavão de Krishna

Com nome retirado de um verso da canção “Trilhos Urbanos”, de Caetano Veloso, esse bloco presta uma homenagem à cultura indiana e promove um desfile todo em tons de azul. Isso porque os foliões seguem o trio com os corpos pintados em homenagem a Shiva, a famosa entidade induísta.

Outro diferencial do PPK (como é conhecido) é que o trajeto só é revelado no dia anterior ao desfile. O local escolhido é sempre uma comunidade de BH ou entorno. E é bom se preparar para a caminhada, pois o cortejo costuma seguir de forma bem tranquila na manhã do domingo de Carnaval, sempre ao som de músicas que pregam a paz e o amor.

Juventude Bronzeada

Esse é um dos points do Carnaval de BH para quem procura um clima de paquera. O Juventude Bronzeada arrebata os foliões com muito axé dos anos 1990 e presta uma homenagem ao drink que é a cara do Carnaval de Belô: o “catuçaí”, uma mistura de catuaba com açaí.

Em 2018, mais de 60 mil pessoas estiveram no desfile, que aconteceu na terça-feira de Carnaval, na região leste da cidade.

Além desses blocos, existem muitos outros com propostas diferenciadas e com cortejo em diversos horários e pontos da cidade. Alguns dos que também têm uma excelente repercussão com o público são:

  • Bloco da Bicicletinha;
  • Tchanzinho Zona Norte;
  • Bloco da Calixto;
  • Unidos da Estrela da Morte;
  • Beiço do Wando;
  • Alô Abacaxi;
  • Havayanas Usadas;
  • Me beija que eu sou pagodeiro;
  • Corte Devassa;
  • Magnólia;
  • Garotas Solteiras;
  • Alcova Libertina;
  • Ordináááários;
  • Manjericão.

Como você viu, atualmente o Carnaval em Belo Horizonte não perde em nada para as festas de outras regiões do país. E o melhor é que quem escolhe passar esse feriado na capital mineira ainda pode aproveitar para conferir a folia de Ouro Preto e de outras cidades históricas.

Ou seja, se você ainda não sabia onde passar o próximo período de folia, agora já pode começar a arrumar as malas!

Para ficar por dentro das novidades da Avianca e receber dicas de outros destinos, é só seguir a gente nas redes sociais. Estamos no Facebook, no Instagram, no Twitter e no YouTube!

Quando se pensa em uma viagem tranquila, a primeira preocupação é quanto ao período dentro da aeronave. Entretanto, é importante lembrar que o passeio tem início algumas horas antes disso.

O tempo no aeroporto, por exemplo, pode ser um pouco longo e deve ser planejado com atenção. Esse intervalo se faz necessário para a realização dos procedimentos de segurança de embarque e desembarque de todos os passageiros.

A boa notícia é que, ao seguir algumas recomendações, é possível garantir momentos mais agradáveis em todas as etapas da viagem, especialmente em época de alta temporada, quando a movimentação é ainda maior.

Quer saber como ter uma viagem tranquila nas próximas férias? Continue a leitura e veja nossas 8 dicas!

1. Procure chegar cedo ao aeroporto

Programar a chegada cedo ao aeroporto é uma das etapas essenciais para ter uma viagem tranquila e evitar perder o voo.

No caso dos nacionais, a recomendação é chegar com pelo menos uma hora de antecedência. Já em viagens internacionais, esse período é de no mínimo duas horas. Contudo, ainda é preciso considerar o trânsito até o local, o tempo para estacionar, entre outras situações.

Dessa forma, você terá mais tranquilidade para fazer o check-in, despachar malas e se dirigir ao portão de embarque. Para agilizar esse processo, o check-in pode ser feito de forma online, pelos canais virtuais da companhia aérea.

2. Viaje com uma roupa confortável

É recomendado viajar com roupas confortáveis em viagens longas de avião. Essa atitude também é positiva para o tempo de espera no terminal. O sapato é outro item importante nessa situação. Considere que pode haver filas e longos trajetos dentro do aeroporto, por isso, opte por um tênis ou sapato confortável.

3. Confira se a bagagem tem dimensões adequadas

É fundamental conhecer as regras de dimensão e peso das bagagens, tanto as que serão despachadas quanto as de mão, antes de preparar as malas. Não se esqueça de conferir os itens proibidos para embarque.

Essa atitude é positiva para deixar a viagem tranquila, pois evita tarifas extras e problemas no momento de despachar ou embarcar com as malas, caso elas estejam acima do peso ou fora dos padrões, por exemplo.

A bagagem de mão em voos domésticos e para a América Latina ou EUA deve pesar no máximo 10kg. Já a franquia para despachar é de 23kg. Se o seu voo for internacional, fique atento às regras para embarque com líquidos. O limite permitido é de 100ml por frasco. Ele deve ser acomodado em uma embalagem plástica transparente e bem vedada.

4. Alimente-se

A espera para o embarque pode ser demorada, e ficar com fome causa irritação e mau humor. Portanto, faça uma refeição adequada antes de sair de casa, providencie alguns petiscos ou vá a um dos restaurantes do aeroporto enquanto aguarda o voo. Cuidado para não exagerar no prato ou nas bebidas alcoólicas, isso pode causar um mal-estar no trajeto.

Se for viajar com crianças pequenas, procure manter a rotina de alimentação para que elas não fiquem irritadas no aeroporto. Nesse caso, a dica é levar mamadeiras prontas, biscoitos, frutas ou outro alimento que elas estão acostumadas a comer.

5. Separe itens de entretenimento para uma viagem tranquila

Mais uma dica para ter uma viagem agradável é separar itens de entretenimento. Eles são positivos tanto para o período dentro da aeronave quanto no aeroporto. Por isso, confira a bateria do celular antes de sair de casa e separe livros, revistas, jogos e outras ferramentas para se distrair enquanto aguarda o início do embarque.

Essa estratégia poderá ter melhor impacto em casos de viagem em família. As crianças costumam ficar impacientes durante os momentos de espera. Por isso, ter brinquedos, jogos e outros eletrônicos pode ajudar a entretê-los.

6. Faça uma boa mala de mão

A mala de mão é importante para armazenar objetos frágeis ou de valor, artigos de higiene, mudas de roupas, entre outros itens úteis durante toda a viagem. Por isso, prepare-a com atenção para não esquecer nada. Tente manter tudo organizado, pois isso facilitará a inspeção de segurança.

Outra recomendação para ter uma viagem tranquila é separar a documentação para o embarque em um local seguro e com fácil acesso. Procure colocar passaportes, passagens e documentos de identidade em uma pasta ou compartimento de sua bolsa.

7. Antecipe os procedimentos de segurança

A etapa de inspeção de segurança pode gerar um certo incômodo devido às filas. Esse procedimento é essencial para a integridade dos passageiros e deve ser feito com atenção, por isso, pode ser um pouco demorado.

Contudo, é possível tomar algumas atitudes para agilizar esse processo. Ao passar pelo detector de metal, por exemplo, não se esqueça de tirar acessórios que podem disparar o alarme, como cinto, relógios e chaves.

Ao colocar sua mala na esteira do raio-x, retire o notebook e outros eletrônicos e coloque-os na bandeja, assim como a embalagem com líquidos em caso de voos internacionais.

8. Fique atento às informações de embarque

Fez o check-in, despachou as malas e passou pelo portão de embarque? Então, esse será o momento de aguardar a liberação do voo!

Durante a espera, você pode passear pelas lojas, usar o Wi-Fi para conferir e-mails e redes sociais, analisar o roteiro da viagem etc. Entretanto, não se esqueça de ficar de olho no painel de informação e nos avisos sonoros que indicam o portão e o início do embarque.

Além disso, preste atenção nas informações da equipe da companhia aérea — as filas do embarque podem variar de acordo com a numeração do assento, além de haver prioridade para idosos, pessoas com crianças de colo e passageiros da classe executiva. Confira se você está na fila certa.

Essas foram nossas dicas para deixar o período no aeroporto mais agradável e garantir uma viagem tranquila em todas as etapas. Elas são simples e fáceis de cumprir, concorda? Ao seguir essas recomendações, você começará as férias da melhor forma possível.

Já conhecia essas dicas? Deixe seu comentário no post e conte para nós como você garante um início de viagem tranquilo!