Dicas de Viagem

Grávida pode viajar de avião? Veja regras e dicas

8 de março de 2019 0 comentário

A combinação entre gravidez e viagem aérea sempre gerou muitas dúvidas. Afinal, toda gestante quer se manter segura para preservar a saúde de seu bebê, e as mudanças bruscas de pressão podem ser um motivo de preocupação e tanto para os amigos e familiares das futuras mamães. Afinal, grávida pode viajar de avião ou não?

A verdade é que tudo depende da condição da mãe e do bebê, além das orientações do médico. Sendo assim, cada caso deve ser analisado com cautela.

Neste post, você vai descobrir o que deve levar em conta antes de agendar seu passeio e ainda aprender algumas dicas para ter uma viagem tranquila. Veja só!

Quando a grávida pode viajar de avião?

Teoricamente, toda gestante pode viajar de avião quando ela e o bebê se encontram em um bom estado de saúde. Mas o médico obstetra é a pessoa ideal para conceder essa informação.

Não existem grandes empecilhos para viajar no primeiro ou segundo trimestre, ou seja, até 27 semanas de gravidez — desde que a mãe não apresente sangramentos, pressão alta, insuficiência placentária, diabetes ou outros tipos de complicações que requerem cuidados extras.

Alguns obstetras não recomendam as viagens de avião antes dos três primeiros meses de gravidez. Nessa fase, os riscos de aborto e parto prematuro são um pouco maiores, em virtude dos efeitos causados pelas mudanças de pressão na formação inicial do feto. Além disso, a gestante pode se sentir bastante indisposta ou enjoada durante o trajeto, o que atrapalha as viagens mais longas.

De forma geral, para garantir o bem-estar e saúde da gestante, também não é recomendável viajar sete dias antes ou após o parto.

Quando é necessário apresentar um atestado médico?

A maioria das companhias aéreas permite que as grávidas viajem sem a apresentação de um atestado até a 28ª semana de gestação. Entretanto, as políticas individuais podem variar, principalmente quando a mulher está esperando gêmeos ou teve alguma complicação anterior (como abortos ou partos prematuros).

Em geral, o recomendado é que um atestado médico seja emitido para cada voo a partir da 28ª semana — tanto para a ida quanto para a volta. O documento deve ser detalhado, incluindo o tempo máximo de voo permitido, idade gestacional e autorização expressa para a viagem. A partir desse período da gravidez, também poderá ser necessário preencher um termo de responsabilidade fornecido pela própria companhia aérea.

Depois da 36ª semana, pode ser obrigatório o acompanhamento de um médico durante a viagem. Também é necessário preencher mais um formulário: o MEDIF. Trata-se de um documento voltado para pessoas que precisam de atenção médica especial. Ele será fornecido pela companhia aérea, e deverá ser entregue com antecedência antes do embarque.

Para os casos de gravidez múltipla, as regras mudam um pouco: pode ser preciso apresentar um atestado médico detalhado e termo de responsabilidade a partir das 25 semanas de gestação. A partir da 32ª semana, também é comum ter que entregar o MEDIF e solicitar o acompanhamento obrigatório de um médico.

É importante consultar o regulamento da sua companhia aérea para ter acesso às regras e evitar surpresas. Outra recomendação é considerar a data de validade do atestado recebido e a quantidade de semanas de gestação que a futura mamãe terá na volta da viagem.

Em quais tipos de aeronaves as grávidas podem viajar?

Muitas pessoas ficariam surpresas ao saber que gestantes não podem viajar em qualquer tipo de aeronave. Existem limitações no que diz respeito às dimensões e ao espaço da cabine.

No geral, a grávida pode viajar de avião, mas deve evitar as aeronaves muito pequenas — em especial quando não contam com cabines pressurizadas. O motivo é simples: nesses casos, a pressão interna do ar poderá ser inferior ao passar por altitudes mais baixas. Consequentemente, o corpo acelera os batimentos cardíacos e a pressão arterial, na tentativa de absorver oxigênio.

Essas mudanças no funcionamento do organismo não costumam resultar em problemas. Entretanto, em algumas situações podem representar um risco real para a saúde dos bebês e mães — principalmente aquelas que sofrem com hipertensão, anemia ou predisposição para a formação de coágulos sanguíneos. Se ainda assim for preciso viajar em uma aeronave pequena (ou um helicóptero, por exemplo) o ideal é que isso seja feito, no máximo, até a 35ª semana.

Quais cuidados devem ser tomados durante a viagem?

Diversas atitudes simples podem tornar a viagem de avião mais confortável, tanto para a gestante quanto para o bebê.

Escolha os assentos certos

É recomendado reservar os assentos localizados no meio do avião (próximos à asa), pois a estabilidade no decorrer do voo é maior nesses espaços. Outra dica é se sentar perto do corredor, já que a necessidade de ir ao banheiro costuma ser mais frequente na gravidez.

Cuide dos pés e pernas

Para evitar danos à circulação, evite passar muito tempo imóvel em sua poltrona durante o voo. Levante-se para alongar as pernas e realizar caminhadas pelo avião quando o aviso para o afivelamento de cintos estiver apagado. Faça exercícios com os pés, tornozelos e pernas enquanto permanecer sentada.

Para não ter o desconforto causado por inchaços, use uma roupa bastante confortável e meias de compressão, evitando calças jeans ou peças muito justas (principalmente em voos longos).

​Alimente-se bem

Não passar muito tempo sem se alimentar é essencial para não sentir náusea, azia ou tontura durante a viagem. Por isso, leve alguns lanchinhos na bagagem de mão, como barras de cereais, bolachas integrais ou castanhas.

Também vale a pena checar o menu do avião para evitar os alimentos que causam gases (com a altitude, seus efeitos podem se expandir e causar desconforto). Além disso, bebidas como café, chá e sucos cítricos têm ação diurética, o que pode aumentar ainda mais a frequência de idas ao banheiro.

​Realize um seguro

​Nunca abra mão de contratar um seguro de viagem especial para gestantes, seja o seu destino nacional ou internacional. A cobertura médica permitirá que você lide com imprevistos e se sinta mais segura em qualquer situação, para que possa aproveitar o passeio sem preocupações!

Seguindo essas dicas, você poderá desfrutar de uma viagem muito mais confortável e ainda manter o seu bebê mais protegido!

Agora que você já sabe quando a grávida pode andar de avião, não deixe de dividir essa informação com seus familiares. Compartilhe o conteúdo nas suas redes sociais!

Veja Também