Tag

Dica

Relatos

O que aprendi viajando

6 de dezembro de 2013 0 comentário

Torcida AF

Não sei se algum pensador famoso já havia cunhado a frase título desse texto. Se não, ponto pra mim. Mas é a mais pura verdade. Algo que eu já tinha concluído após tantas experiências enriquecedoras estrada a fora (muitas delas narradas aqui no Blog da Avianca) e que voltei a considerar agora que pensava e um tema para a coluna. Decidi que ia escrever as principais lições que aprendi viajando. Parei na número 27. O que era para ser uma página de Word estava se tornando um tratado filosófico. Minha lista ia desde “Roer as unhas”, algo altamente necessário quando você tem sua mini-tesourinha barrada em uma imigração no início de uma viagem de mais de um mês pelo deserto; até “Estamos todos conectados”, algo extremamente importante ao perceber que apesar da magnitude da causa há sempre alguém disposto a lutar ao seu lado para reparar uma injustiça.

 

Para não desistir do texto e seguir por uma direção editorial menos nobre, decidi listar apenas aquelas lições realmente e efetivamente emblemáticas. Capazes de mudar a vida e alma do viajante independente de credo, cor, time do coração ou destino de férias.

Torcida Capa AF

 

Nada é simplesmente preto ou branco.

Diferente dos filmes do He-Man, não existem vilões simplesmente maus e tampouco heróis unicamente bons. Todos temos defeitos, desejos, medos… Muitas vezes decisões absurdas e terríveis são tomadas em nome de um bem maior. Ou de uma vantagem pouco óbvia. Seja isso certo ou errado. Precisamos tentar enxergar além da obviedade, e através da enorme teia de conectividade. E, com base em nosso julgamento do que é certo ou errado, tomar a decisão ou realizar a análise correta.

 

Questione tudo

Essa ta relacionada diretamente com a lição acima. Pois é, se nada é o que parece (quase sempre) é nosso dever moral e obrigação questionar tudo. O status-quo, raramente não atende algum interesse. Se ele é bom ou mau, cabe a nós descobrirmos.

 

Somos todos iguais

Sim, parece óbvio constatar que pretos, índios, asiáticos, gays, velhos, jovens, budistas, palestinos, judeus, empresários, hippies, punks… somos todos iguais em nossa essência. Todos queremos encontrar felicidade ou, se essa realmente não é um destino, queremos ao menos fazer de nossa jornada por aqui o mais prazerosa e significativa o possível.  Mas talvez seja difícil perceber isso quando somos inundados com notícias de fanáticos terroristas de turbantes, ou exóticas tribos e suas danças sem sentido, ou da greve de fome de presos políticos ou a obesidade mórbida de consumistas exacerbados. Apenas quando você deixa o seu “mundinho” e conhece a fundo um desses “personagens” é que eles passam a ser reais. E aí, a identificação é inevitável. Sim, por mais estranho que pareça a primeira vista, por baixo de cortes de cabelo, pinturas de guerra, roupas coloridas, armas e terços: somos todos um só.

 

André Fran é um dos apresentadores do programa “Não Conta lá em Casa” cuja temporada em Israel e Palestina vai ao ar toda 5a feira às 21h30 no canal Multishow.

Gastronomia

O Ema

4 de dezembro de 2013 1 Comentário

Ema 2

Esse mês foi um mês de muita alegria, mais um projeto concluído, mais um restaurante!! Vou contar um pouquinho da história pra vocês!

Ah um tempo atrás, descobri que gostava muito de pintar, e sem muitas explicações, todas minhas pinturas eram Emas, sim, isso mesmo, todos meus quadros são emas!! De repente me deparei com milhões de quadros de emas de todos os tipos e tamanhos, e a cada quadro minhas Eminhas iam ficando cada vez melhores!

Na mesma época dessas entranhas pinturas, eu e minha prima Aline (também Chef, como já falei aqui), já estávamos conversando ha muito tempo a respeito de abrimos mais um restaurante. Queríamos algo diferente, outra proposta, outro conceito, outro tudo.

As duas historias se juntaram. Nasceu o Ema. Um pequeno sobrado nos Jardins com apenas 23 lugares, muito discreto e intimista! São 5 mesas no salão, e os demais lugares são em um balcão de frente para a cozinha!

O salão e os doces são comandados pela Aline, e entradas e pratos principais por mim! Como o espaço é minúsculo, aconselhamos sempre a fazerem reservas, e garantir seu lugar, afinal só abrimos de terça, quarta e quinta, a partir das 20hs.

Para achar a casa, costumo dizer que é quase um lugar secreto, uma pequena portinha na Rua Consolação, esquina com a Itu (muiiiiito perto do Marakuthai)! A proposta de uma culinária de raiz traz a releitura de diversos pratos da minha infância ligada a Ilhabela, litoral norte de SP, onde cresci!! Minha maior inspiração veio do Bonete, uma praia paradisíaca em Ilhabela, que só da para chegar pela trilha ou de barco! Uma caminhada de 4 horas ou um passeio de barco de 1 hora. É realmente encantador, uma pequena comunidade de pescadores, uma praia preservada, de areias brancas e águas cristalinas! Passar um fim de semana por lá, é melhor do que um SPA ou qualquer coisa do gênero rs! A Pousada Canto Bravo é minha recomendação!! Praticamente na praia, a pousada possui uma ótima estrutura, funcionários super acolhedores e o restaurante é ótimo!!!! Para chegar no Bonete, eu recomendo ir de barco, pois a trilha é longa e cansativa, sem contar que sempre vamos com malas! Existem diversos barcos de passeios em alguns pontos de Ilhabela que fazem essa travessia, o melhor de todos é o Bote Azul Marinheiro, com ele você pode ter certeza que será um passeio seguro e super tranquilo!! Passar uns dias no Bonete é como carregar toda energia e voltar cheia de inspirações para a vida! Sempre que vou, vou com minha turma de amigos (que não é pequena), fazemos almoços e jantares incríveis com peixes fresquíssimos, pescados por nós mesmos!! Cresci indo para esta praia e hoje ela me deu de presente o Ema, uma releitura dos meus pratos do Bonete!

Vou ficar muito feliz em receber todos vocês!!!!

Telefone:
(11) 3081-8358
Endereço:
Rua da Consolação, 2902

http://www.emarestaurante.com.br/index.html

Pousada Canto Bravo –http://www.pousadacantobravo.com.br/   

Bote Azul Marinho – http://azulmarinhoilhabela.wordpress.com/

Gastronomia

Andanças

21 de outubro de 2013 0 comentário

Capa Renata

Das minhas tantas viagens, com sempre os mesmos objetivos – a procura eterna por receitas, temperos e restaurantes pelo mundo –  hoje vou focar em apenas uma cidade, minha passagem por Portugal – Lisboa.

RenataAh quase um mês atrás fiz uma viagem relâmpago com as mulheres da minha família, para Lisboa e Paris. Uma dessas mulheres, era minha prima Aline, também Chef de cozinha, também louca e também Chef do Buffet Marakuthai. Aline é minha fiel “companheira de comer”, é com ela que literalmente “enfio o pé na jaca”.  Pela família fomos apelidadas por, loucas, compulsivas e fanáticas por comer e cozinhar. E claro, na Europa fixamos ainda mais esses adjetivos!

Foi uma viagem rápida, apenas 3 dias em Lisboa e 3 dias em Paris, porém uma das melhores viagens da vida, muitas risadas, muita comida boa e claro com ótimas companhias! E foi em Lisboa que conheci o melhor restaurante da viagem e talvez o… melhor do melhor de todos!  Chama-se Belcanto e fica num lugar maravilhoso, bem no centro histórico de Lisboa, um ambiente sóbrio e sofisticado e atendimento impecável! O Chef é o premiado José Avillez, só esse ano ganhou o premio Chef do Ano pelo Guia Boa Cama e Boa Mesa, e o Belcanto foi premiado com o Garfo de Platina (o melhor premio atribuído aos restaurantes).  Uma das coisas que mais me impressionou foram as louças! Tudo muito original, criativo e diferente, nada de pratos brancos comuns!

Agora vou falar do que realmente interessa, comida! Comemos muito e de tudo, pedimos um menu degustação com 1500 itens,mas os melhores foram: A entrada – Trilogia de Azeitonas, azeitonas apresentadas em 3 formas, realmente MARAVILHOSA. E  de prato principal, uma raia com caldas de diferentes vegetais, inspirados no quadro do Pollock! A semelhança do prato com o quadro é realmente incrível!

Restaurante-Belcanto (1)

Enfim, é isso, se for para Lisboa você é obrigado a ir no Restaurante Belcanto! Imperdível! Espero que gostem das fotos!

BELCANTO
+ 351 21 342 06 07
Largo de São Carlos, 10
1200-410 Lisboa