Tag

Gastronomia

Gastronomia

Comendo na Estrada: versão saudável

13 de fevereiro de 2014 1 Comentário

foto (1)

 

 

Na última coluna eu discorri sobre as maravilhas de comer na estrada. O processo de descoberta e a delícia que é conhecer uma nova cultura através de seus pratos típicos. Da etiqueta à mesa às cerimônias gastronômicas passando pelas receitas mais incríveis, a culinária é uma maneira muito eficiente (e prazerosa) de identificar traços históricos, religiosos e até sociais de um país qualquer. Agora, há como você desfrutar disso tudo e ao mesmo tempo manter a saúde. Até porque, ainda tem aqueles destinos (tipicamente naqueles onde impera a cultura fast food) onde a sua maior preocupação é justamente manter a saúde alimentícia, ou pelo menos manter a figura esbelta durante as férias.

Experimentar não é se empanturrar

Vale à pena provar de tudo! Por mais que você não goste, pelo menos a experiência vai servir para você identificar o gosto local. Provar é uma coisa, se entupir de tai pad (prato de rua típico da Tailândia) é outra.

Ouse no exotismo!

Comidas estranhas são um desafio, uma aventura e um retrato do local. O que mais você quer em uma viagem?

Eu já provei até barata com shoyo e biscoito de lama. Obviamente não trouxe a receita para casa, mas serviu pelo menos como uma história pra contar e saber o porquê e como essas estranhas iguarias fazem parte do cardápio de países como China e Haiti, no caso. Ok, essa dica pode até não estar na linha “saúde”, mas faz parte.

Fuja das grandes cadeias

A idéia não é recorrer ao conforto e segurança de sabores padronizados das químicas contidas nos cheeseburgers da vida. Poucos são os destinos que não possuem franquias das mais nefastas redes de fast-food do mundo ou que não tenham suas próprias versões. Mas se elas são facilmente encontradas e reconhecíveis, isso também vale para os mercadinhos locais. Lá você sempre vai encontrar um mix da culinária local e produtos fresquinhos.

Coma saudável e se mantenha saudável

Ninguém quer ficar de cama durante uma viagem de férias, né? Beber muita água, comer leve, estar sempre bem alimentado, café da manhã reforçado… São sempre boas dicas para quem quer curtir a fundo e explorar um novo roteiro e todas as demandas físicas que isso impõe.

Bom apetite e boa viagem!

 

André Fran é um dos apresentadores do programa “Não Conta lá em Casa” cuja temporada em Israel e Palestina vai ao ar toda 5a feira às 21h30 no canal Multishow.

Gastronomia

Minha Bahia!

11 de fevereiro de 2014 0 comentário

bahia 3

 

Com uma turma de quase 15 pessoas, fomos passar o fim de ano em Barra Grande. Viagem perfeita, só amigos, só risadas, só comida boa.

A viagem começou em Ilhéus, de lá tivemos que pegar um barco para chegar em  Barra Grande. Ficamos um tempinho curto em Ilhéus, mas o bastante para conhecer um Restô maravilhoso chamado Armação, eleito pelo Guia 4 Rodas com o melhor peixe fresco da Bahia (responsa).

Em Barra passamos uma semana maravilhosa, longe de qualquer problema. Alugamos uma casa linda, que de lá saíram os melhores churrascos e almoços da historia. Uma semana a base de muita tapioca e acarajé, ah e batata doce.  Sim, acredite se quiser, em todos os cafés da manhã tinha batata doce.

No texto passado comentei sobre como havia gringos em São Miguel do Gostoso – RN, em Barra Grande há muitos gringos também, acho que eles estão conquistando o nordeste brasileiro.

Agora vou falar do que realmente importa: Restaurante! Se você for para Barra Grande, anote o nome desses dois restaurantes que você não deve deixar de ir: Restaurante da Zene e Tubarão.

Na Zene não deixe de experimentar a moqueca, juro, foi a melhor da minha vida!

No Tubarão, peça a chapa de polvo. Maravilhosa e inesquecível!

Uma viagem deliciosa, que indico para qualquer um…

E eu? Já quero voltar!!

Todo mundo que viaja para Minas Gerais, já vai pensando em visitar um restaurante, um bar ou um boteco. Afinal, quem não quer comer um Frango com Quiabo, um Tutu a Mineira, ou até mesmo tomar um cafezinho com pão de queijo levando um “dedin de prosa”?

A culinária mineira é sem dúvida uma das mais gostosas do Brasil!

Com influência dos tempos do ciclo do ouro (séc XVIII), dos migrantes de outros estados e estrangeiros, surgiram adaptações e novos pratos que encantam a todos.

Quem nunca saboreou a famosa ”Vaca Atolada” – famosa receita de costela bovina e mandioca – não sabe o que está perdendo. Não importa aonde você vá, se é para o interior ou para BH, “ocê” não vai passar aperto. Nós do Blog, separamos algumas dicas que você não pode deixar de conhecer:

Ouro Preto:

Bené da Flauta: Que tal saborear uma cachaça, acompanhada do famoso “Menina do Sobrado”, prato a base de carne, manteiga de garrafa, abóbora e pimenta dedo-de-moça? E o melhor, tudo isso contemplando as obras do Aleijadinho!

http://www.benedaflauta.com.br/

Tiradentes:

Theatro da Vila: Localizado na parte alta do centro histórico, o restaurante tem um vista maravilhosa da Serra de São José. Com apenas 42 lugares e decorado a luz de velas, é para obrigatória para quem vista a cidade. Destaque para o Menu Degustação de 3 ou 4 pratos!

http://www.theatrodavilla.com.br/

Belo Horizonte

A cidade organiza todo ano o tradicional concurso “Comida di Buteco”, que hoje se espalhou por várias outras cidades do Brasil. Assim fica impossível indicar aonde ir né? Na dúvida, conheça o máximo de lugares que você puder e claro, de o seu voto!

http://www.comidadibuteco.com.br/belo-horizonte/

 

E você, tem alguma dica para a gente?

DestinosGastronomiaInternacionais

Gastronomia de Guerra

12 de outubro de 2013 0 comentário
Conflict

foto: http://conflictkitchen.org/#

Viajando pelo mundo você acaba se deparando com detalhes curiosos de diferentes culturas.  E em poucas áreas as inusitadas diferenças entre culturas diferentes se manifesta de forma tão divertida quanto na culinária. Seja experimentando esquisitices (para nós) como um escorpião frito ao molho shoyo nas ruas de Pequim, cérebro de macacão marinado no limão em algum canto da África ou a sopa de cachorro da Coreia do Sul, ou delícias (de novo, para nosso paladar ocidental) como parrillas do Uruguai, sashimis direto do Japão ou  o típico e delicioso feijãozinho brasileiro viajar por pratos diferentes é uma maneira bem eficaz de se embrenhar nos costumes e características de um país distante. Mas, às vezes, a criatividade e  o exótico se cruzam promovendo uma viagem gastronômica bastante peculiar.

Conflict 5

foto: http://conflictkitchen.org/#

A Conflict Kitchen (Cozinha de Conflito) é um restaurante em Pittsburgh que resolveu se especializar na culinária de países que estão em conflito ou tem problemas políticos com os Estados Unidos. A cada dois meses um país é o foco do cardápio. Cuba, Afeganistão, Irã e Venezuela já foram os “alvos” (sem trocadilho, por favor) do chef e sua equipe.  Ropa Vieja (carne desfiada), Lechon Asado (leitão) de Cuba. Bolani e Adas (massa de pão com legumes, cebola, alho) prato típico do Afeganistão fez sucesso. Kebab com chá de menta ao estilo iraniano compôs o cardápio por mais de um mês. Bolo de milho com queijo se destacou entre os itens do cardápio da Venezuela. Tirando a Venezuela, já passei um bom tempo sobrevivendo (e me deliciando) com as iguarias de todos os países da Conflict Kitchen.  E afirmo: tomara que a ideia se espalhe em franquias pelo mundo todo!

conflict 4 capa

foto: http://conflictkitchen.org/#

O mais legal da inovadora proposta que vem agradando críticos, imprensa e clientes é que juntamente com os atrativos criados para encher a pança, também é servido um variado cardápio de atrações culturais. São palestras, debates e exposições sobre o país da ocasião. Uma maneira de fazer com que o público americano, que acaba conhecendo um pouco mais de geografia apenas quando seu país se envolve em guerras, acabe conhecendo e desenvolvendo uma relação um pouco mais real com esses países. Uma maneira criativa e deliciosa de descobrir que culturas retratadas como estranhas inimigas do american dream invariavelmente tem muito a oferecer em termos de cultura, história, humanismo e, claro, iguarias pra “matar” apenas a fome.

 

André Fran é um dos criadores/apresentadores da série de TV “Não Conta lá em Casa” (Multishow), onde quatro amigos encaram os roteiros mais polêmicos do planeta e semanalmente escreve aqui no nosso blog!